SEMANA PAUL DIANNO - CARREIRA SOLO - THE BEAST - uma vida cheia de música, brigas, paixões e confusões.

SEMANA PAUL DIANNO  - CARREIRA SOLO - THE BEAST - uma vida cheia brigas, paixões e confusões.





Nós vamos começar a falar do Paul em sua carreira solo, mas eu queria lembrar o que ele foi e o que é. Não sei se vocês tem parentes ou amigos que tem uma personalidade tão forte e determinada que nao há o que os torne diferente das suas convicções. Sim, ele é desses. Eu também gostaria de vos questionar, se sabem um pouco sobre a história dos punks, que teve origem na Inglaterra. E se já ouviu falar da periferia de Londres, onde nasceu os Cockneys. Ainda posso lhe perguntar se você sabe definir o que  chama de louco, fora do padrão ou esquisito, isso também pode pode ser um estilo de vida. Talvez não haja certos e errados. As pessoas são o que são e você escolhe com quem quer conviver, pelo menos deveria ser assim.

Para além do contexto social, cultural e comportamental, Paul não conduziu muito bem sua liberdade e sua oportunidade de carreira, tendo desfeito bandas, namoros e casamentos; e lutando na sua vida insana e divertida, a misturar otimo e péssimo humor, um pouco cá e um pouco lá (UK, USA; BRASIL, etc)

Falar das origens do Paul, do Cart and Horses, Ruskin Arms, de Camden e tudo que pertence ao East London, é entender um pouco dessa veia que corre no sangue do nosso ídolo. Há alguns anos atrás, eu resolvi ir a Londres para  entrevistar o Paul e o Steve Loopy Newhouse, um biógrafo da fase inicial da banda, que também foi roadie do Iron Maiden ate 1982. 

O Paul Dianno, como devem calcular estava indisponível para a entrevista presencial, morando longe do circuito londrino, e com suas dificuldades relacionadas à problemática do joelho que teve vários pequenos acidentes. Hoje em dia, infelizmente, ele "perdeu" um dos joelhos. Acabei por entrevistá-lo posteriormente por chamada telefônica. Confira a entrevista aqui:


ENTREVISTA PAUL DIANNO


ENTREVISTA STEVE LOOPY NEWHOUSE 



CARREIRA SOLO 






Di´Anno

Di'Anno foi o primeiro projeto de Paul Di'Anno depois que ele deixou o Iron Maiden. Este grupo foi originalmente chamado de Lonewolf, mas após certos desentendimentos com um grupo já chamado Lone Wolf, eles mudaram seu nome e acabaram gravando apenas um álbum com o apelido simples de Di'Anno. Na turnê, Paul se recusou a tocar qualquer música do Iron Maiden (para desgosto da multidão), tocando apenas suas próprias músicas e alguns covers.


 Depois de um sucesso mínimo, a banda de seis integrantes se separou logo após o término da turnê. Os únicos outros itens disponíveis desta banda são um single de "Heartuser", um single japonês de "Flaming Heart" e um lançamento em VHS da Suécia chamado "Live at the Palace" (hoje em DVD como "Di'Anno Live From London" )



Gogmagog




Em 1985, Paul iria trabalhar em um projeto com vários músicos contratados. O grupo, denominado "Gogmagog", foi criado pelo DJ e produtor musical Jonathan King. Gogmagog era um projeto de ópera rock. King trouxe o recém-lançado Di'Anno de seu autoproclamado álbum de 1984. A ideia de Gogmagog tinha um enorme potencial, pois King foi capaz de recrutar músicos famosos e formidáveis ​​(incluindo Clive Burr, ex-Iron Maiden, Janick Gers de Gillan, White Spirit, Neil Murray, ex-Whitesnake e finalmente Black Sabbath e o guitarrista original do Def Leppard Pete Willis. Russell Ballard foi contratado para escrever algumas músicas e um EP de 3 faixas intitulado "I Will Be There" (música de Ballard) foi gravou e incluiu algumas músicas com títulos bobos. Um ponto interessante sobre o EP é que ele só foi lançado depois que a banda se separou. Todas as três músicas são apenas demos para fazer parte. 'um álbum em que muitas outras músicas foram escritas, mas nunca gravadas É uma raridade do rock, mas muito amado e notado por aqueles que têm sorte. É interessante notar que Janick Gers tocou com Burr e Di'Anno, ex-músicos do Maiden muito antes de se juntarem à banda.


Battlezone

 


Depois que sua banda homônima se separou, Di'Anno formou o projeto Strike na América com o baterista Bob Falck (usava o nome de Sid Falck quando tocava bateria em Overkill) e o guitarrista John Hurley, mas o projeto acabou se tornando realidade, chamando-se BATTLEZONE no retorno do cantor para a Grã-Bretanha. 

A formação inicial do grupo incluía Paul, os guitarristas Hurley e Darren Aldridge, o baixista Laurence Kessler e Adam Parsons na bateria. Este último tinha o nome artístico de A.D. Dynamite enquanto estava em "Tia May". No entanto, Parsons saiu logo depois para formar a trupe Glam baseada em Londres "Belladonna" e Falck reapareceu em cena a tempo de gravar o álbum de estreia do grupo "Fighting Back". 1986 também viu o alistamento do ex-guitarrista do Lonewolf e Tokyo Blade John Wiggins. 

 Battlezone fez uma turnê pela América em 1987 para promover o primeiro 'Fighting Back', mas diferenças musicais, discussões e lutas físicas dentro do grupo levaram à saída de John Hurley e Bob Falck após a primeira turnê. De acordo com o livro "The Beast" de Dianno, Hurley havia se tornado um "egoísta" e o baterista Falck um "passivo", então eles foram expulsos da banda. Seus lugares foram ocupados pelos ex-membros do Persian Risk Graham Bath e Steve Hopgood, respectivamente, após o término da turnê.

 O segundo álbum a ser lançado foi chamado de "Children of Madness" e alcançou um sucesso comercial considerável. O vídeo de "I Don't Wanna Know" foi rodado na MTV nos Estados Unidos. As drogas e as lutas internas mais uma vez pressionaram um grupo já exausto. Perto do final da última turnê, a maioria dos membros tinha ido embora, deixando Dianno para encerrar a turnê com uma banda de apoio para cumprir seu contrato.


 Após a separação do Battlezone, Paul e Hopgood formaram a banda de Power Metal "Killers", lançando quatro álbuns. Hurley mais tarde se juntou a "Lo Girls". 1990 também encontrou Dianno à frente de Praying Mantis para uma turnê pelo Japão e o álbum seguinte, 'Live At Last', com o ex-guitarrista do Iron Maiden Dennis Stratton. Wiggins juntou-se ao Tokyo Blade reformado em 1995. Paul resolveu lançar uma série de álbuns solo antes e depois do Killers. 

 Em 1998, Dianno ressuscitou o nome Battlezone. Ele foi acompanhado por Wiggins e outros ex-membros do Tokyo Blade, o baixista Colin Riggs e o baterista Marc Angel. Os segundos violões foram cedidos por Paulo Turin. Essa formação corta o álbum "Feel My Pain", lançado pelo jovem selo "Zoom Club". A banda embarcou em uma turnê esgotada pelo Brasil em janeiro de 1998 com o baixista Gavin Cooper de seus ex-colegas do Killers e o guitarrista Nick Burr se juntou a eles nesta fuga sul-americana.

 

A banda fez uma turnê pelo Brasil no mesmo ano tocando uma turnê de três semanas com ingressos esgotados para até 6.000 fãs por noite. Trazidos de volta à terra, Battlezone em seu retorno para casa hospedou um show no Walthamstow Royal Standard com uma audiência de apenas cem pessoas e um show no JBS Dudley em West Midlands atraindo menos de uma dúzia de fãs. Uma faixa ao vivo do show de Walthamstow apareceu mais tarde em uma compilação de todos os três álbuns do Battlezone, intitulada "Cessation of Hostilities". O ex-baixista do Battlezone Gavin Cooper se juntou ao Lionsheart em dezembro de 2004 e depois se juntou à Statetrooper em maio de 2005. O baixista então se juntou ao grupo solo do vocalista do Magnum Bob Catley para datas no Reino Unido em abril de 2006.

 

Killers 



O Killers foi formado em 1990 ou 1991. Cliff Evans morava em Nova York com o empresário da Fastway. Steve Hopgood, que jogou no Battlezone com Paul, ligou para ele e disse: Vamos pegar alguma coisa. Paul foi contatado e ele voou de LA para Nova York, onde formaram uma banda. 
 

Em poucos dias, eles contrataram John Gallagher (do Raven) para tocar baixo por um curto período e um americano, Ray De Tone, na segunda guitarra. Em poucos dias, um álbum ao vivo chamado "Assault on South America" ​​foi gravado, apresentando várias faixas do Iron Maiden e Battlezone e covers de "We Will Rock You" e "Smoke on the Water". Este foi gravado principalmente para o mercado sul-americano, já que estava envolvido um "cara do dinheiro" sul-americano que estava interessado em apoiar uma turnê na região [2]. "Gravado no Brasil, Argentina e Venezuela no verão de 1993" está estampado na contracapa. No entanto, de acordo com John Gallagher, a turnê sul-americana foi completa, então o álbum inteiro foi gravado em um caminhão de gravação móvel em Nova York. [3]. Mais tarde, uma gravadora canadense chamada Magnetic Air Productions lançaria um lançamento pirata em todo o mundo, sob uma capa diferente, sem royalties sendo pagos à banda.

 


O Killers então se apresentou para várias grandes gravadoras, incluindo Virgin, EMI, Sony e BMG. Representantes voaram de todo o mundo para Nova York para ver o jogo do Killers. Eles tocaram apenas músicas do Iron Maiden porque a banda não havia escrito nenhum material. As canções dos Maiden tocadas incluíam Phantom Of The Opera e Wrathchild, o que evidentemente impressionou um representante do BMG o suficiente para dar à banda um contrato de $ 250.000. O BMG não sabia que essas músicas haviam sido gravadas anteriormente. Assim que o Killers assinou o contrato, eles começaram a escrever o primeiro álbum intitulado "Murder One". A banda mudou-se para um estúdio no interior do estado de Nova York "no meio do nada". Eles ficaram em um motel no qual o proprietário tinha um estúdio de ensaio montado. O álbum foi escrito em cerca de duas semanas. Demorou apenas mais um mês para registrá-lo. O álbum recebeu os retoques finais no The Powerstation em Nova York. 


 Após o lançamento de Murder One, Paul se casou com uma garota inglesa com quem ele voou para Nova York. A bebida e as drogas cobraram seu preço e o casamento rapidamente se desfez. Paul passou por um periodo de problemas pessoais e alguns lhe trouxeram consequencias sérias.

Paul não era bem um "santo" e teve que pagar pelas consequencias na sua intimidade e fora dela. 

Foi aqui que Di'Anno começou a escrever canções para o próximo álbum do Killers e a enviá-las para o Reino Unido, onde a banda estava morando agora. Paul Di'Anno volta ao Reino Unido. Foi aqui que ele assinou com a banda Bleeding Hearts Records localizada em Newcastle e eles gravaram seu segundo álbum de estúdio. Foi intitulado "Menace To Society" após um comentário feito pelo Juiz de LA. No entanto, com um estilo Pantera, foi mal recebido por muitos críticos, com exceção da revista Metal Hammer na Alemanha que o votou como o "Melhor Novo Álbum" daquele ano. 

Em 2003, Paul e Cliff estavam em turnê como os únicos membros originais do Killers restantes. Paul então contratou novos músicos que ele lembrava de uma turnê na Alemanha e na Áustria. Marcus Thurston se juntou à banda como segundo guitarrista, Darayus Kaye assumiu as funções de baixo e Pete Newdeck na bateria. Steve teve que se aposentar porque desenvolveu zumbido nos ouvidos. O guitarrista Graham Bath machucou as mãos por tocar tanto ao longo dos anos e desenvolveu artrite. Paul queria que Clive Burr (ex-Iron Maiden) tocasse bateria, mas não conseguiu chegar aos ensaios a tempo. No entanto, mais tarde, Clive ficou gravemente doente de esclerose múltipla. 

Assumindo que os KILLERS assinaram o contrato, eles começaram a escrever o álbum de estreia intitulado "Murder One". O grupo mudou-se para um estúdio no interior do estado de Nova York "no meio do nada". Eles ficaram em um motel onde o proprietário montou um estúdio de ensaio. O álbum foi feito em cerca de duas semanas. Demorou apenas um mês para se registrar. O álbum padrão deu os toques finais para The Powerstation em Nova York.

No Brasil, participou do projeto Rockfellas. Paul ama o Brasil. Tornou aqui sua casa também. Nenhum país o acolheu tão bem! 

 Rockfellas foi um supergrupo brasileiro musical formado por Paul Di'Anno (ex-vocalista do Iron Maiden), Marcão (ex-guitarrista do Charlie Brown Jr.), Canisso (baixista dos Raimundos) e Jean Dolabella (ex-baterista do Sepultura



OBRIGADA!

Aqui tem um pouco mais sobre a vida dele:




O PROPRIETÁRIO DO CART AND HORSES KASTRO PEGGIONI ,PARA AJUDAR PAUL DIANNO NA CIRURGIA QUE TERÁ QUE FAZER NA REDE PRIVADA, CRIOU UMA VAQUINHA VIRTUAL, E CONTRIBUINDO VOCÊ PODE AJUDAR ELE E ATÉ GANHAR UMA CAMISETA EXCLUSIVA.


COMO DOAR

  • Clique neste link:

https://www.justgiving.com/crowdfunding/kastro-carthorses-2?fbclid=IwAR3l7pNceiwMNKmsloGenHYupu5o1kIZsK2pIf_j07IL_Cu016pBuL8teU8 


  • Clique em "GIVE NOW"

onde aparece o número "40 GBP" edite com a quantidade que você PODE doar, ou seja, qualquer valor.

  • Deixe sua mensagem para o Paul Dianno. 
  • Coloque seu nome e sobrenome com #IMBNOTICIAS
  • Segue para o pagamento (opções: Google Pay, Cartao de Débito ou Crédito, Pay Pal)

Ao colocar o #IMB NOTICIAS você está a concorrer uma CAMISA DO CART AND HORSES doada pelo Kastro ao nosso grupo, e será enviada para você, como souvenir da primeira casa de shows da banda, que foi ponto de encontro e de onde surgiu toda a história do Iron Maiden.






Sobre Verônica Mourão

Verônica Mourão

0 comentários:

Postar um comentário