[ IRON MAIDEN ] - 5 fatos obscuros sobre "The Number of the Beast"


Hoje, 22 de março de 2020, o terceiro álbum do Iron Maiden completa 38 anos de seu lançamento. The Number of the Beast é considerado por muitos fãs como o melhor trabalho da banda, e há até quem diga que se trata do melhor álbum de Heavy Metal de todos os tempos. E nessa data do aniversário desse icônico trabalho, trago alguns fatos, curiosidades e lendas que cercam essa obra prima da música pesada. Confiram:

01. Paul Di'Anno chegou a ensaiar músicas do "The Number of the Beast"?

Confesso a vocês que esse é um dos assuntos que mais atiçam minha curiosidade dentro da história do Iron Maiden. Porém, há pouca coisa a respeito que já foi solta. O próprio Paul declarou em uma entrevista a um portal canadense há alguns anos que possuía uma demo do Maiden com ele cantando algumas musicas do álbum, mas que ele supostamente a perdeu. Mas se analisarmos a logística da banda no período compreendido entre a "Killer World Tour" e o início de composição de The Number of the Beast", é provável que em algum momento ele tenha entrado em contato com alguma música. Stjepan Juras, escritor croata, em seu livro "The Number of the Beast", levanta uma questão interessante. Se analisarmos "Invaders" e "Gangland", podemos facilmente imaginá-las na voz de Paul, o que não ocorre com o restante das faixas.

02. A estreia de Bruce Dickinson, mas ele não era o favorito para o Iron Maiden.

Contra fatos não há argumentos. "Iron Maiden" (1980) e "Killers" (1981) impactaram e muito os fãs na época, e parte desse impacto foi sem dúvidas Paul Di'Anno. Problemas a parte, não podemos negar o excelente trabalho feito por ele. Tanto que quando surgiram os rumores de sua saída, o nome de Bruce Dickinson sequer era mencionado pelos jornalistas especializados. Entre eles, a aposta seria Jess Cox, que na época era o vocalista do Tigers Of Pang Tang.




03. Scream for me...Bruce!

O icônico grito na faixa "The Number of the Beast" sem dúvidas é um dos mais emblemáticos da história do Heavy Metal. Segundo Bruce Dickinson, o resultado saiu depois da alta exigência do produtor Martin Birch, que fez o vocalista repetir a exaustão, por não estar contente com os resultados. Depois de uma série grande de repetições, Bruce estava tão puto com Martin que soltou o berro num momento de extrema raiva, e é esse que ficou registrado para a história. 

04. O canto do cisne de Clive Burr

"The Number of the Beast" traz a despedida do baterista Clive Burr. Contudo, os motivos de sua saída nunca foram explicados de uma forma 100% satisfatória, e giram sobre duas teorias. A primeira é a de que Clive estava mergulhado no vício do álcool e isso naturalmente estava atrapalhando as performances da banda. A segunda trata da morte do pai do baterista, onde Clive teve de voltar para a Inglaterra para o sepultamento, e motivado pelo vício do álcool, teria sido afastado. Tanto que indícios mostram que em pelo menos duas apresentações no final da turnê já foram com Nicko Mc'Brain. Uma curiosidade ainda a respeito de Clive Burr é a de que ele é o único ex membro do Iron Maiden a ter uma menção honrosa em um álbum da banda (Piece of Mind).



05. Iron Maiden no Programa do Chacrinha?

Por incrível que pareça, essa possibilidade rondou os escritórios da EMI no Rio de Janeiro. O que houve é que "The Number of the Beast" foi o primeiro álbum do Maiden a ser lançado aqui no Brasil. O sucesso foi tanto que a gravadora resolveu lançar os outros dois álbuns na sequência, e logo o álbum alcançou o Disco de Ouro por aqui. Os empresários entraram em contato com a matriz na Inglaterra para trazer a banda para o Brasil para receberem o prêmio no lendário Programa do Chacrinha, mas por conta da agenda da banda, isso obviamente não se concretizou.

(N.R: Imaginando aqui as chacretes dançando ao som de 22 Acacia Avenue...)



Sobre Alexandre Temoteo

Alexandre Temoteo

3 comentários:

  1. Havia também mais dois "papos" que via nas publicações dos anos 80: que Clive acelerava as músicas ao vivo e 'Arry não estava satisfeito. Também Clive sentindo falta da família etc., muitas turnês e blablabla. Pode, Arnaldo?

    ResponderExcluir
  2. "N.R: Imaginando aqui as chacretes dançando ao som de 22 Acacia Avenue..." hahaha

    ResponderExcluir
  3. "Invaders" e "Gangland" são muito altas, principalmente Gangland... Apesar de serem rápidas, não acho que Paul conseguiria um bom desempenho.

    ResponderExcluir