[IRON MAIDEN] - As histórias do mundo nas canções do Iron Maiden - Parte II


Durante minha pesquisa, penso que certamente algo ficou para trás, graças à incrível capacidade que essa grande banda tem de ser simbólica, inovadora ou absurdamente tradicional em tudo que faz e a quantidade de informação contida nos álbuns pode estar explicita ou não. Eu não fui capaz de explorar todas as letras, mas isso ainda é um firme propósito se a minha vida corrida permitir. Então aqui está a segunda parte de algo que considero real, consistente e bem estudado e que é melhor conter veracidade, do que tentar ir aos detalhes e acabar deixando algo para trás.

A banda tem seu poderio estabelecido por uma longevidade que vai além da questão musical, a capacidade enérgica de seus integrantes, um grande e visionário empresário, e uma marca capaz de atingir patamares na bolsa de valores britânica. É feita de história de seus e dos nossos antepassados, seja na história do mundo seja na geração de todos que um dia amaram, amam e um dia vão amar IRON MAIDEN.

Aqui estão:


THE CLANSMAN - Virtual XI - 1998

And I know what I want, when the timing is right, then I´ll take what is mine, I am the clansman

Segundo relatos The Clansman se diz respeito ao famoso conquistador escocês conhecido como Braveheart ou Mr. Willian Wallace (1272-1305). Liderou a resistência à dominação inglesa durante o reinado de Edward I. Herói para os escoceses, fora representado no filme Coração Valente protagonizado por Mel Gibson. No entanto, Willian foi derrotado na Inglaterra.

Há poucas alusões na música sobre isso. Mas estudiosos defendem algumas expressões na música se referirem à este conquistador. FREEDOM!!!!


PASCHENDALE (Dance Of Death, 2003)

"Crucified as if on a cross; allied troops they mourn their loss; german war propaganda machine; such before has never been seen"

Paschendale (variação do nome original: Passchendaele) foi uma das batalhas ocorridas na Primeira Guerra mundial. Os britânicos perderam cerca de 275.000 vítimas em Passchendaele para os 220.000 alemães, tornando-se uma das batalhas de desgaste mais dispendiosas da guerra. Os aliados mais populosos poderiam pagar melhor as perdas, especialmente com a recente entrada dos Estados Unidos do lado deles, mas a batalha deu um golpe ao moral coletivo da Força Expedicionária Britânica. Passchendaele, muitas vezes lembrado como o ponto baixo do esforço de guerra britânico, permanece sinônimo de terríveis e dispendiosos combates na Frente Ocidental. Foi marcada por intensa lama, perda de vidas e más estratégias de guerra. Para se comunicar, utilizavam o CODIGO MORSE – O inicio da música é marcado pela reprodução do código de comunicação identificado entre os britânicos.


MONTSÉGUR (Dance Of Death, 2003)

"As we kill them all so God will know his own, the innocents died for the pope on his throne; catholic greed and its paranoid zeal curse of the grail and the blood of the cross"

Dessa vez é sobre um acontecimento que podemos chamar de um “pré-evento” do que conheceríamos em 1250 D.C. como Inquisição. A Inquisição foi a represália sofrida por todos os hereges ou pessoas contrárias aos conceitos “primorosos” impostos pela Igreja Católica. Este fato marcou a Idade Media e foi um grande tema de várias canções e  temas literários no mundo.

Neste relato horrível do cerco no castelo em Montségur em 1244, onde mais de 200 pessoas cátaras foram mortas como hereges depois de se recusar a renunciam à sua fé.  Bruce cita os Cavaleiros Templários e o Santo Graal, que foi dito ser contrabandeado de Montségur durante o cerco, mas suas menções de simbolismo Illuminati, como olhos e pirâmides, provavelmente sejam uma indireta. Foi então que o Papa pede imediatamente para acabar com a impunidade de Montsegur, chamado-a de "sinagoga de Satanás."O local foi destruído e parcialmente reconstruído depois.


THE PILGRIM (A Matter Of Life And Death, 2006)

"Spirit holy life eternal, raise me up take me home, Pilgrim sunrise pagan sunset; onward journey begun"

MayFlower ou a embarcação “Flor de Maio” foi um famoso navio que em 1620 transportou os chamados “Peregrinos” do Porto de Southampton, Inglaterra para o chamado “Novo Mundo” – As Américas.

Devido a uma série de problemas no navio, os peregrinos viram-se obrigados a regressar duas vezes, pouco depois de zarpar, para consertar. A viagem seria feita em dois navios. O Mayflower e Speedwell, mas problemas de vedação no casco do último impediram a sua partida. Por conta disso, 20 passageiros desistiram da viagem, o restante foi no Mayflower. Então na terceira tentativa o Mayflower chegou aos Estados Unidos em 11 de novembro, 5 dias depois. Essas pessoas (102 passageiros) buscavam liberdade religiosa longe do Anglicanismo.


THE LONGEST DAY (A Matter Of Life And Death, 2006)

" How long on this longest day; Til we finally make it through; How long on this longest day; Til we finally make it through"

No famoso Dia D (6 de junho de 1944) ou também conhecido cinematograficamente como “O mais longo dos dias” ocorreu quando milhares de soldados de várias nacionalidades, organizados na chamada operação Overlord, furaram o paredão alemão desembarcando pelo Mar do Norte na costa da Normandia, na França ocupada pelos nazistas. Começava a liberação da Europa e a derrota das forças do Eixo (Alemanha, Japão e Itália); chegava ao fim o sonho delirante de Hitler de subjugar o mundo. Uma das mais sangrentas e emblemáticas batalhas já travadas, recriada em toda a sua expectativa, nervosismo, glória e horror.



BOOK OF SOULS (Book of Souls, 2015)

"Two headed reptile symbol of his reign; universes of the underworld; a life that’s full of all the wealth and riches;Can never last for an eternity; after living in a golden paradise
the ultimate sacrific"



A religião da cultura Maya é caracterizada basicamente pela passagem de vida num círculo infinito. (lembram do circulo no alto do palco da última turnê?). Os maias acreditavam que o mundo foi criado cinco vezes e se destruiu quatro. Quanto à vida após a morte, este foi um ponto de grande importância na religião, porque os maias alegaram que havia uma vida complexa pós-mortem, em que o paraíso só foi reservada para aqueles que tinham sido assassinados ou mortos durante a infância. Todas as outras pessoas foram enviadas para xibal ou o inferno, que foi governada pelos deuses da morte.

Estes foram geralmente ofertas de sangue a partir de corte de várias partes do corpo, geralmente padres. Normalmente usado sacrificar a língua, lábios ou orelhas e mais sangue é derramado, maior a vontade dos deuses e também é diretamente proporcional ao tamanho da oferta para o cargo de hierarquia sacrificado. Mesmo algumas cerimônias exigiu o coração vivo da sacrificado, sendo depois queimado para honrar os deuses. Os deuses maias estavam representados as vezes em grandes répteis na sua maioria, apresentando dois aspectos diferentes que simbolizavam sua benevolência ou sua maldade.


CONTINUA...?

Sobre Verônica Mourão

Verônica Mourão

4 comentários: