[ NOTB40 ] - 40 anos atrás, The Number of the Beast, introduziu 39 minutos de fúria que transformariam o heavy metal e introduziriam novos superstars.

 No verão de 1981, o Iron Maiden chegou a uma encruzilhada. A banda de East London, que estava na vanguarda da cena jovem explosiva conhecida como New Wave of British Heavy Metal (NWOBHM), teve dois álbuns de estúdio aclamados e razoavelmente bem-sucedidos: o inovador Iron Maiden de 1980 e o Killers de 1981.

No entanto, o cantor Paul Di'Anno estava começando a lutar devido à queima da vela proverbial em ambas as extremidades. Os rigores das turnês combinados com sua personalidade festeira esgotaram a energia do cara cockney alto a ponto de ele ficar apático quando estava prestes a subir ao palco. A banda, que tinha ambições muito maiores do que o sucesso no Reino Unido, teve uma decisão difícil a tomar sobre seu futuro.

Outra banda da NWOBHM, Samson, estava em chamas de uma maneira ainda pior. A gravadora Gem, que lançou o LP de estreia de Samson em 1980, Head On, havia falido, e a RCA, que havia adquirido os direitos do sucessor Shock Tactics, não se deu ao trabalho de oferecer qualquer apoio a essa banda desconhecida. Apresentando um jovem cantor chamado Bruce Dickinson, que poderia atingir as notas altas como Ian Gillan fez com o Deep Purple uma década antes, Samson ainda conseguiu marcar uma nota intermediária no Reading Festival de 1981 no final de agosto, apesar de estar prestes a implodir.

O baixista / compositor / visionário geral do Iron Maiden, Steve Harris, não era fã da visão peculiar de Samson sobre o heavy metal, mas ele gostava do som e da presença de palco de Dickinson. Se o Maiden fosse se destacar internacionalmente, a banda precisaria de um cantor que pudesse lidar com as ambiciosas ideias de composição que giravam na cabeça de Harris. Paul Di'Anno, um cantor fantástico por si só, cuja garra de rua foi crucial para a energia impetuosa e o tom de confronto do álbum de estreia, já estava tendo dificuldade em acompanhar as acrobacias vocais que as músicas do Killers como "Murders in the Rue Necrotério” e “Purgatório” exigiram. Tendo um palpite de que Dickinson era precisamente o cara que poderia lançar o novo material da banda, Harris e o empresário do Iron Maiden, Rod Smallwood, voaram da França – onde o Maiden estava em turnê – para observar a performance do cantor em Reading.

“Paul ainda estava na banda, mas acho que todos estavam cientes de que havia um problema”, disse Dickinson ao biógrafo Mick Wall. “E quando saí do palco no Reading naquele dia, todo mundo sabia que algo estava acontecendo.

“Agora, em Reading, há esse quadrilátero de barracas de cerveja e outras coisas, e bem no meio dele há um poste enorme com luzes de arco e holofotes nele. [Smallwood e eu] éramos as únicas duas pessoas em todo o lugar de pé no meio do pátio, sob os holofotes, com todo mundo no Reading Festival olhando para nós, e eu estava olhando para Rod dizendo: 'Você realmente quer fazer isso aqui?'”

Smallwood fez e imediatamente ofereceu a Dickinson a chance de fazer um teste com a banda. Dickinson e Iron Maiden se reuniram no dia seguinte em um estúdio em Hackney e tocaram músicas antigas como “Prowler”, “Sanctuary” e “Remember Tomorrow”. O grupo – Harris, os guitarristas Dave Murray e Adrian Smith, e o baterista Clive Burr – souberam imediatamente que ganharam a sorte grande, enquanto Dickinson ficou surpreso com o profissionalismo da banda. “Certo, não haverá mais maconha na parte de trás do ônibus da turnê”, brincou Dickinson para Wall.

Em 26 de setembro, a revista Sounds anunciou que Dickinson havia sido contratado como o novo vocalista do Iron Maiden. O que parecia um risco na época acabaria alterando para sempre a trajetória da banda e do gênero heavy metal como um todo.

Em 1982, a onda NWOBHM estava começando a crescer, e muitas bandas que lançaram álbuns importantes – Diamond Head, Angel Witch, Tygers of Pan Tang, Witchfinder General – já estavam começando a fracassar, em parte devido a más decisões de gerenciamento. As bandas que conseguiram passar de 1982 mostraram muito mais visão do que seus pares. O som e a imagem crua e atrevidamente satânica de Venom tiveram um tremendo impacto no florescente underground do metal americano, enquanto o trabalhador Saxon começou a ter sucesso fora da Grã-Bretanha. Duas bandas, no entanto, tinham planos maiores, que incluíam tentar quebrar o inconstante e aparentemente impenetrável mercado americano.

O Def Leppard de Sheffield estava de olho nas rádios americanas desde o primeiro dia, seu clássico High 'n' Dry de 1981 produzido por Robert John "Mutt" Lange, logo após seu sucesso fenomenal com AC/DC e Foreigner. Enquanto isso, o Iron Maiden sabia que as rádios americanas não eram tão responsivas ao seu som mais ousado e agressivo. Eles precisavam de um terceiro álbum que pudesse virar a cabeça, o que The Number of the Beast faria, tanto musicalmente quanto visualmente, além de seus sonhos mais loucos.

Antes do lançamento de The Number of the Beast em 22 de março de 1982, o Iron Maiden tinha todos os ingredientes certos para um grande avanço: uma mistura ambiciosa de heavy metal corajoso, progressivo, energético e altamente melódico (“UFO atende Jethro Tull” seria ' na época), um logotipo de banda comercializável, um mascote ainda mais comercializável na forma do personagem de Derek Riggs, Eddie, um empresário intransigente em Smallwood, uma grande gravadora da EMI e agora, aquele novo vocalista . O produto final seriam 39 minutos de fúria que virariam o gênero de ouvido e apresentariam as novas superestrelas do metal ao mundo.

Naquele momento, o produtor Martin Birch estava em uma corrida infernal. Além de dirigir o álbum Killers do Maiden no ano anterior, ele desempenhou um papel fundamental em Heaven and Hell (1980) e Mob Rules (1981) do Black Sabbath, bem como no ressurgente Fire of Unknown Origin do Blue Öyster Cult. Voltando ao álbum de 1971 do Deep Purple, In Rock, Birch passou a década de 1970 capturando a ferocidade ao vivo de bandas de rock pesado em fita, tornando-o um ajuste perfeito para o Iron Maiden, que construiu um forte boca a boca com base em seus shows ao vivo ferozes. Em contraste com os ricos, mas sem singles Killers, compostos principalmente de material cortado do álbum de estreia, a banda agora estava armada com uma coleção excepcionalmente forte de material novo quando Birch e os meninos entraram no Battery Studios de Londres em janeiro de 1982. O lado progressivo exibido em “The Phantom of the Opera”, a agressão de “Wrathchild”, a ameaça de “Killers” e os ganchos de “Running Free” agora se uniam a cada nova música.

Não é preciso olhar além da faixa de abertura de The Number of the Beast para perceber como o impacto imediato de Dickinson foi na banda. No início, as músicas de Harris nunca foram as mais fáceis para os cantores cantarem (“Murders in the Rue Morgue”, alguém?) “Barcos foram avistados, a evidência da guerra começou / Muitos combatentes nórdicos, suas espadas e escudos brilham ao sol.”

Apoiado pela execução rápida e complexa do Iron Maiden, Dickinson foi forçado a frasear essas linhas dentro de uma melodia vocal altamente heterodoxa. Ele estava à altura da tarefa, cantando as letras com autoridade, acelerando e desacelerando sua enunciação para um efeito dramático, culminando com sua memorável entrega de “Gleeeeeeam!” É preciso talento de classe mundial para tirar uma música tão complexa quanto “Invaders”, e Dickinson imediatamente se coloca na mesma liga que seus formidáveis ​​​​colegas Rob Halford e Ronnie James Dio.

Curiosamente, “Invaders” é a música menos interessante do álbum, empilhada com faixas que se tornariam as favoritas ao vivo perenes. Essas seis faixas exemplificam o grande salto criativo que Harris e o resto da banda deram em tão pouco tempo. Cada música é única uma da outra, mas implacavelmente cativante, suas letras contam histórias que variam de filmes e programas de televisão, vida nas ruas, pesadelos, genocídio e esboços de personagens em primeira pessoa. Essas letras concisamente escritas, mas instantaneamente evocativas, capturam a imaginação do ouvinte. Mais crucialmente, porém, é o recém-descoberto domínio da dinâmica do Iron Maiden. Impressionante no disco, totalmente explosivo em concerto, os novos arranjos casaram complexidade e acessibilidade de uma forma nunca alcançada antes. É estimulante, escapista, fortalecedor, teatral. Heavy metal feito para as massas, não apenas para um pub local no leste de Londres.

Inspirado nos clássicos de terror britânicos dos anos 1960 Village of the Damned e Children of the Damned, “Children of the Damned” é a primeira masterclass em dinâmica de heavy metal The Number of the Beast. Começando como uma balada sombria – não muito diferente da faixa de 1980 do Black Sabbath “Children of the Sea” – ela se desenvolve e se desenvolve até o verso final climático em que as crianças telepáticas incompreendidas são queimadas vivas. Smith começa um solo abrasador, seguido pelos cânticos prontos para o estádio de Dickinson da melodia final do clímax. Em contraste, o violento “The Prisoner” leva o ouvinte à série de TV distópica cult de mesmo nome, incluindo até a famosa introdução de Patrick McGoohan do programa: “Eu não sou um número, sou um homem livre!” O Iron Maiden se inclina em um riff rápido, seus versos enérgicos complementados lindamente por um refrão forte e melódico. A “Avenida das Acácias 22” tem uma estrutura mais progressiva; suas mudanças de ritmo e paradas acompanham a história surpreendentemente compassiva de um homem desesperado para libertar uma jovem prostituta de sua vida difícil.

No entanto, o Lado Dois é onde O Número da Besta dá o salto de revelador para revolucionário. Abrindo com a narração arrepiante do ator Barry Clayton de linhas do Livro do Apocalipse (12:12 e 13:18 especificamente), a surpreendente faixa-título entra em um riff de abertura sem percussão de Harris, Smith e Murray, Dickinson lendo dramaticamente os dois linhas que levam o ouvinte direto para o cenário de pesadelo demoníaco sobre o qual a música se trata. “Eu saí sozinho, minha mente estava em branco / Eu precisava de tempo para pensar para tirar as lembranças da minha mente / O que eu vi? Posso acreditar que o que vi naquela noite era real e não apenas fantasia?” Essa introdução aumenta e aumenta, a tensão aumenta até que o icônico grito de 13 segundos de Dickinson lança a música direto para o inferno. A história de Harris é tão vívida quanto qualquer filme de terror da Hammer, pois o protagonista contempla um ritual satânico e está dividido entre refutar a blasfêmia e abraçá-la. Um dos usos mais fascinantes de imagens satânicas na história do heavy metal, é um clássico genuíno. Essa música gera a maior audiência “pop” em qualquer show do Iron Maiden.

Cada pedacinho da faixa-título é igual, “Run to the Hills” é o single mais duradouro do Iron Maiden, tornado memorável pela introdução de bateria instantaneamente reconhecível de Clive Burr. Um riff peculiar e descendente começa quando Dickinson canta sobre a bravura do povo indígena diante do massacre em massa: para Cree / Oh, algum dia seremos libertados?” Condenando abertamente os colonos ao colocar o público na mente dos antagonistas (“Os únicos injuns bons são mansos”), a música explode em um refrão que é igualmente elegíaco e empoderador, destacado por um refrão explosivo que se torna um canto instantâneo. em concerto.

Os caras guardam o melhor para o final com “Hallowed Be Thy Name”, sem dúvida a música mais amada pelos fãs do Iron Maiden em todo o mundo. O narrador de Harris é um prisioneiro no dia de sua execução, o tom apropriadamente triste: “Estou esperando em minha cela fria quando o sino começa a tocar Refletindo sobre minha vida passada, e não tenho muito tempo”. A música começa em uma marcha sombria enquanto Dickinson vende os versos, a banda pontuando seu canto perfeitamente, Smith e Murray utilizando harmonias duplas para trazer mais emoção à história. Dickinson canta o verso final com seriedade e paixão enquanto o narrador começa a encontrar paz em seus momentos finais (“Marque minhas palavras, acredite que minha alma vive Não se preocupe agora que eu fui, fui além para buscar a verdade) que então lança a música em seu movimento final.

Mudando de uma marcha para uma jam de tempo duplo impulsionada pelas linhas de baixo de Harris, com dedos rápidos e registros superiores, Smith e Murray trocam solos antes de Dickinson entrar novamente para trazer a música ao seu clímax indutor de arrepios. A maneira como “Hallowed” passa de melancólico a transcendente se tornaria uma marca registrada do Iron Maiden. Enquanto a banda seguiria essa fórmula pelo resto de sua carreira, este ainda é o melhor exemplo desse modelo testado e comprovado. Muitas vezes imitado por outras bandas de metal ao longo das décadas, ninguém jamais chegou perto de alcançar esse tipo de majestade.

Como uma nota lateral, o que intrigou os fãs por décadas é a questão “Gangland” versus “Total Eclipse”. Não havia muito tempo para a banda completar o álbum no início de 1982, e a banda teve uma decisão precipitada a tomar. A faixa mid-tempo “Total Eclipse” foi lançada como b-side de “Run to the Hills” em fevereiro de 1982, mas Harris e a banda decidiram usar a animada “Gangland” no álbum. Com sua bateria indisciplinada de Burr, “Gangland” é uma pequena faixa divertida, mas carece muito do drama que “Total Eclipse” tem e, ao longo das décadas, o Iron Maiden expressou remorso pela decisão. Ainda em 2015, Dickinson disse sinceramente que deseja que a banda traga “Total Eclipse” de volta às suas apresentações ao vivo.

Tornando as coisas ainda mais confusas, o Iron Maiden adicionaria “Total Eclipse” nas reedições de CD subsequentes, mas as reedições em vinil ficariam apenas com “Gangland”. Desnecessário dizer. os fãs mais experientes do Maiden têm um MP3 gravado de “Total Eclipse” em seus telefones para compensar sua ausência nas plataformas de streaming.

Comercialmente, The Number of the Beast foi muito bem logo de cara, alcançando o primeiro lugar no Reino Unido por duas semanas. O sucesso internacional cresceu, o álbum rapidamente certificou ouro no Canadá em 1982, e os primeiros shows do Iron Maiden na América do Norte seriam cinco datas do leste canadense em junho de 1982. Enquanto a América estava um pouco mais lenta para pegar, três coisas ajudaram a banda imensamente. Primeiro, eles tocaram muito fora do país naquele ano, abrindo para bandas como Scorpions, Rainbow, .38 Special e seus principais rivais no Reino Unido, Judas Priest. Em segundo lugar, o heavy metal estava passando por uma mudança geracional em 1982, à medida que mais e mais adolescentes da Geração X estavam sendo atraídos por sons mais fortes e provocativos do que ouviam no rádio. O heavy metal estava prestes a explodir entre os jovens, e The Number of the Beast, junto com Screaming For Vengeance, do Judas Priest, lançado no final de 1982, seriam os dois maiores álbuns de metal daquele ano.

Melhor ainda – embora na época parecesse mais preocupante para o Iron Maiden em comparação com o quão pitoresco parecia 40 anos depois – a banda se viu envolvida em um dos primeiros escândalos de “pânico satânico” do heavy metal dos anos 80. Grupos cristãos de direita ficaram sabendo da faixa-título e especialmente da capa de Derek Riggs e começaram a se manifestar nos shows da banda. Não importava que fossem rapazes cockney perfeitamente simpáticos que só queriam matar um litro de amargo. A música assustou muitas pessoas com a mente muito estreita para usar habilidades de pensamento crítico e descobrir que, embora o Diabo esteja na capa parecendo controlar o mascote Eddie com cordas de marionetes, o verdadeiro Eddie está sorrindo jocosamente acima do dito Mefistófeles, controlando-o como outro. fantoche. Ele zomba de Satanás em vez de deificá-lo.

De qualquer forma, nenhuma imprensa é má imprensa, e a equipe de gestão de Smallwood aproveitou a oportunidade. Depois de dezenas de shows na América, The Number of the Beast finalmente chegou ao número 33, certificando ouro em outubro de 1983.

Como Dickinson continuaria a dizer, O Número da Besta marcaria o momento em que o Iron Maiden atingiu o topo da montanha-russa. Depois disso, foi para as corridas da próxima década, a banda se agarrando à vida enquanto se tornava uma das maiores atrações de shows do mundo. Mais seis álbuns de grande sucesso se seguiriam na década seguinte, os shows ao vivo se tornariam mais bombásticos, as turnês se tornariam mais longas, o ritmo implacável. Clive Burr deixaria a banda em 1983, substituído pelo ex-baterista do Trust e agora amado pilar Nicko McBrain. Piece of Mind de 1983 e Powerslave de 1984 seriam sucessos estrondosos, e Live After Death de 1985 seria um dos melhores álbuns duplos de heavy metal já gravados. Burnout afetaria a banda: Smith partiria após a turnê de Seventh Son of a Seventh Son, de 1988, enquanto Dickinson deixaria a banda de forma controversa em 1993.

Somente em 1999 Dickinson e Smith retornariam ao grupo, e nas décadas desde aquela reunião o Iron Maiden experimentaria um renascimento no final da carreira pelo qual qualquer banda mataria. O Iron Maiden é exponencialmente maior agora do que era em 1982, e todo fã tem seu LP favorito (o favorito deste compositor é Powerslave), mas ninguém vai negar que a banda deve tudo àquele disco que mudou o cenário do heavy metal, para não mencionar suas vidas, para sempre.

Fonte:https://www.popmatters.com/iron-maiden-number-beast-atr40


 

Sobre Iron Maiden Brasil

Iron Maiden Brasil

0 comments:

Postar um comentário