O Caminho do Samurai: Bruce conta todos os segredos de Senjutsu, o novo álbum do Iron Maiden


O Caminho do Samurai: Descubra os segredos do novo álbum do Iron Maiden: Senjutsu

Em uma entrevista mundial exclusiva para a revista Kerrang!, Bruce Dickinson revelou como o 17º álbum de estúdio do Iron Maiden, Senjustu, surgiu e como a banda conseguiu guardar o segredo de seu lançamento por tanto tempo! Tudo isso e muito mais, confira!


Palavras: Nick Ruskell
Fotos de Bruce Dickinson: Paul Harries


As pessoas que descobriram algumas dessas coisas, eles deveriam trabalhar imediatamente para o governo como decifradores de códigos - eles são tão bons!

Bruce Dickinson está muito satisfeito consigo mesmo. Ainda mais do que o normal. Ao longo das últimas seis semanas ou mais, houve uma trilha de rastros deixadas pelo vocalista do Iron Maiden e também pela própria banda, levando a... alguma coisa. Algumas coisas enigmáticas do Twitter. Algumas frases incomuns. A estranha camiseta que ganhou visibilidade. Muitas pistas, mas nenhuma pista do quê. Agora sabemos que a solução para o quebra-cabeça é o épico e animado vídeo de "The Writing On The Wall", a mais nova música da Donzela após 6 anos, e que foi lançada na última quinta-feira (15). Mas, no início, as pistas eram tão sutis que até mesmo o fã mais sagaz, percebendo que haviam dicas em todo canto, foi ludibriado.
Em junho, no Download Pilot da Inglaterra, pôsteres em preto e branco de algo chamado "Belshazzar’s Feast" espalhados pela arena principal do festival, foram inicialmente considerados uma jovem banda empreendedora fazendo a sua própria sorte no primeiro grande evento do verão. Mas então as camisas começaram a aparecer, no peito de Frank Turner (um notável superfã do Maiden) e, de forma mais impactante, Bruce Dickinson (um notável frontman do Maiden).

As coisas começaram a aparecer na internet, como uma conta no Twitter, @bels_feast e o misterioso Daniel, que seguia apenas 16 contas (o número de álbuns que o Maiden havia feito até então), todas trocando títulos. "The Killers" foi um aceno óbvio para o segundo álbum da banda; "We Rate Dog" (algo como "avaliamos os cães") como o "Número da Besta", foi uma sacada de gênio.

Os detalhes no pôster, por sua vez, sugeriram que algo fosse acontecer em julho. Muitos leram os algarismos "XVII" - corretamente - que indicava o 17º álbum do Iron Maiden. As letras ‘WOTW’, por sua vez - Writing On The Wall, e também o nome da Festa de Belsazar no livro bíblico de Daniel - apareceram no último pôster da turnê da banda.

Literalmente, o escrito estava na parede. Que esperto. Que astuto. Quão acidental...

Foi tudo um engano!” ri Bruce. “Minha companheira viu algo online sobre o álbum ao vivo do México (Nights Of The Dead, Legacy Of The Beast: Live In Mexico City de 2020) e disse: 'Você sabia que Writing On The Wall está na capa do álbum?' , 'Não fode. Sério? Merda, realmente.’


Isso foi verificado e apagado da capa, mas se você conseguiu a edição em vinil com o pôster, ainda estava lá. Passou quase despercebido, mas ainda assim foi o suficiente para causar preocupação no QG da banda, que eles deixaram o gato fora da bolsa mais cedo. Porque, em um acontecimento ultrassecreto, poucos fora da banda sabiam que o Iron Maiden tinha estado no estúdio. “Estávamos preocupados que houvesse um vazamento sobre o álbum”, continua Bruce. "Porque isso tinha sido feito por anos, porra."

O álbum se chama Senjutsu. Se você quer ter uma ideia de quanto tempo ele ficou parado, Bruce tem que franzir a testa e contar para trás usando os dedos para chegar até quando foi feito - eventualmente remetendo à primavera de 2019. Foi há tanto tempo que, após a conclusão, a banda tirou alguns meses de folga, então partiu para o trecho norte e sul americano de sua turnê Legacy Of The Beast. A última vez que a banda - Bruce, o baixista Steve Harris, os guitarristas Adrian Smith, Dave Murray e Janick Gers e o baterista Nicko McBrain - estiveram no mesmo lugar ao mesmo tempo foi em 15 de outubro de 2019, quando encerraram a turnê no Estadio Nacional em Santiago, Chile.

O plano era, obviamente, ter resolvido tudo anteriormente. Mas mesmo no mundo da Donzela, onde as coisas são planejadas com um bom tempo de antecedência, a COVID entrou no caminho. Tendo já mudado o direcionamento para o lançamento do álbum, ainda havia potencial para as coisas ficarem presas em uma linha de tempo ainda mais distante. A frustração por não poder simplesmente fazer isso é clara, pois Bruce - um homem que não é exatamente do tipo que gosta de perder tempo quando já há coisas prontas - explica o atraso. Eventualmente, as coisas estavam parecendo seguir dessa forma, o que significava que o álbum não veria a luz do dia por mais um ano. “Não podemos esperar até o próximo verão para lançar este álbum”, diz ele. "Seria ridículo."

Admitindo a derrota na ideia original do vocalista, de ter uma grande estreia no estilo de um filme em um cinema para o lançamento de abertura do álbum, o burburinho da Festa de Belsazar foi uma boa maneira de torná-lo um evento em um mundo onde os eventos estão impraticáveis. E perceber que estar preso a milhares de quilômetros de distância, significava que eles próprios não poderiam estar no vídeo - Bruce está em Londres e Janick está em Newcastle, mas Steve está nas Bahamas, Nicko na Flórida, Dave no Havaí e Adrian está... Bruce calcula, em algum lugar nos EUA ou no Reino Unido - o vocalista percebeu que a solução era apenas o problema com uma roupagem diferente.

Querendo “algo épico que as pessoas não esperariam que fizéssemos, porque há muito tempo não fazemos um vídeo sobre o qual valha a pena falar”, ele teve a ideia do que viria a ser o curta metragem animado de The Writing On The Wall: tire a banda em 'carne e osso' e o elemento de 'desempenho' fora da equação, e você pode fazer literalmente qualquer outra coisa, e pode fazê-lo tão grande quanto quiser.

Eu disse a Rod [Smallwood, empresário do Iron Maiden]:‘ Você viu o vídeo de "Deutschland" do Rammstein?'”. Explica Bruce. “Isso, para mim, é um vídeo inovador. Isso é surpreendente. Agora, não estou sugerindo que façamos isso, porque não somos Rammstein. Mas pense no que poderíamos fazer para ter um impacto equivalente para nós. Então, eu escrevi o storyboard para o vídeo, ajustei um pouco e dei um final feliz. Bem, um final meio feliz - Adão e Eva começam de novo, mas com Eddie falando, ‘Eu ainda vou te pegar no final’”.


Alistando o trabalho dos animadores Mark Andrews e Andrew Gordon - ex-Pixar, ambos grandes fãs da Banda - o resultado, como você viu, é matador! E, como você viu, está repleto de referências relacionadas ao Iron Maiden - álbuns, músicas, letras. Bruce avalia que é possível chegar a três dígitos tentando pegar todas essas referências, detalhes que - como o vídeo de Deutschland - insistem em visualizações repetidas. Mas também faltava uma coisa crucial: a razão pela qual o personagem principal acaba na festa em primeiro lugar.

Sempre deveria haver um convite para a festa [no clipe], mas descobrimos que eles tinham se esquecido disso”, diz Bruce. “A produtora estava tipo,‘ Bem, não tem que estar lá, não é? ’Bem, sim, tem. Sem isso, não faz sentido. Tipo, por que esse cara está no deserto? Eu odeio ser óbvio, mas você precisa saber disso - é o momento 'era uma vez', é a parte 'em uma galáxia muito, muito distante'. ” 

É daí que veio o panfleto. Inserido no início para que eles não tivessem que fazer muitas reedições, Bruce queria algo que parecesse "um pôster de rave", um convite para a Festa de Belsazar, onde a ação apocalíptica fica turbinada. E a coisa toda se transformou em um jogo de adivinhação até o ponto em que a resposta foi finalmente revelada.


E agora há algo a mais na história - depois de todos os atrasos, todos os movimentos sombrios, Senjutsu será lançado em 03 de Setembro. Entusiasmado, Bruce fala sobre isso não apenas em termos de um novo recorde, mas como um novo começo, um novo guia para todos. Admitir que está entediado de ficar em casa e que "assistir absolutamente tudo no Netflix, agora", para ele, voltar ao mundo do Iron Maiden significa voltar à normalidade

Quanto mais cedo o mundo voltar a ser sensato, melhor para todos”, diz ele. “Queremos que ‘o Maiden está de volta’ como parte disso.

Hoje, de acordo com Bruce, das pessoas que fizeram "Senjutsu", apenas ele e Steve Harris realmente ouviram o produto final, acabado, mixado e masterizado. A única razão pela qual ele tem uma versão própria é porque ele copiou computador de Steve quando ele estava em sua casa, no ano passado, trabalhando em mixagens para o lançamento do Live In Mexico.

Ninguém tinha um”, diz Bruce. “A gerência não tinha um. Acho que Steve tinha uma cópia em um computador e outro estava trancado em um cofre em algum lugar, e foi isso. Obviamente, estávamos pensando que escaparia e alguém ouviria. Então, mantê-lo em segredo por tanto tempo foi muito bom, realmente. A última vez que ouvi isso foi quando Steve estava mixando o álbum ao vivo do México. Ele não ouvia há muito tempo, então colocamos e ambos pensamos, ‘Isso é muito bom ... uau!’, realmente, bom ... wow!'

A segurança permanece rígida. Quando [oá lbum] foi tocado para a Kerrang!, na íntegra, nos escritórios da gestão do Iron Maiden em Londres, foi feito em um teste de prensagem de vinil sem marcação. Em parte, isso se deve à "busca incessante de Steve pela perfeição sonora", como disse uma de suas equipes, com o "círculo preto mestre" sendo a versão mais ajustada que existe no mundo. A outra razão é muito mais pragmática: é difícil vazar um LP (três LPs, na verdade) para a internet.

A duração é épica - mais de 80 minutos, com as duas últimas canções gigantescas ocupando um lado do vinil cada uma por sua duração de quase meia hora - enquanto a música e os temas são um grandioso drama de metal de uma forma que apenas o Iron Maiden consegue fazer. tão envolvente. Tons de progressão, folk, blues e influências de trilha sonora surgem por todo o lugar, todos identificáveis ​​como parte da tapeçaria dos mais de 40 anos da Donzela, mas deixando suas próprias digitais nela. 

Trabalhando com o produtor de longa data, Kevin Shirley, no Guillaume Tell Studios em Paris (o mesmo lugar que eles fizeram Brave New World e The Book Of Souls), o processo criativo de Senjutsu foi, para uma indulgência tão onipotente de ouvir, muito solto. Um álbum duplo nem estava realmente planejado até que eles perceberam que era o que tinham em mãos. Mesmo a sugestão de que fazer algo tão denso e ocasionalmente desafiador era um tônico para um passeio histórico, é casualmente descartada. Realmente, não havia nenhum plano além do ‘álbum’. 

Não tínhamos ideia, absolutamente nenhuma ideia do que era o álbum. Não chegamos lá com nenhuma ideia definida ou pré-conceito”, diz Bruce. “Tínhamos algumas ideias. Entramos no estúdio e os testamos e, quando funcionaram, gravamos imediatamente. Então, enquanto estávamos ensaiando, tudo estava sendo gravado - a fita rodava o tempo todo".

Steve literalmente se trancava por dois ou três dias, e todos nós aparecíamos e jogávamos fliperama”, ele continua. “E então ele dizia: 'Acho que tenho uma ideia, pessoal. Oi! Todos no estúdio! 'Boom. As coisas que escrevi com Adrian eram um pouco mais convencionais - ficávamos parados e tocávamos guitarra, cantávamos e fazíamos isso até acharmos que tínhamos algo. Então, nós ensaiamos e colocamos de volta no lugar. É mais orgânico, algo assim. Já Steve tende a ser bastante detalhado e meticuloso exatamente como ele deseja".


As coisas não estavam totalmente tranquilas, no entanto. Ou seja, no meio de tudo, Bruce conseguiu quebrar o 'tendão de Aquiles'. Isso leva cerca de um ano para cicatrizar adequadamente e, nos estágios iniciais, requer muletas e capacidade de suportar muitas dores. Ele não é um homem para levar essas coisas levianamente, ele simplesmente avançou de onde podia, tanto no estúdio quanto no palco.

Eu fiz as últimas duas gravações de faixas com muletas, e uma bota - uma daquelas botas grandes que você tem que usar para imobilizar a perna”, diz ele. “Então, acabei no final de abril. Trinta e seis horas depois, eu estava na maca, tendo o pé costurado de volta. E então, 24 horas após a operação, eu estava no estúdio, cantando, com minha perna do tamanho de uma porra de um balão."

Foi um mês utilizando bota. A retirei e e eu tive mais duas semanas de reabilitação. Então eu tive quatro meses para tentar aprender a andar novamente antes da turnê. Aquela turnê pela América e América do Sul, todos aqueles grandes shows, eu não conseguia andar direito, então eu apenas fingi. Ninguém percebeu. Eu estava correndo, mas estava correndo de forma diferente. Aprendi a me mover sem usar os músculos da panturrilha, o que é difícil, mas não conseguia fazer nada convencional. Então, eu não conseguia pular, não conseguia correr e andar rápido era um problema. Mas se você andou como um caranguejo, estava tudo bem!

Quase tão importante quanto tudo isso, é claro, é que o novo Iron Maiden significa um novo Eddie - neste caso, um Guerreiro Samurai mortal. Você já deve ter visto ele explodir no vídeo de The Writing On The Wall. Em si, uma espécie de easter egg para o álbum. Ele tem relação com a faixa-título, uma palavra japonesa que significa aproximadamente "estratégia e tática" ou "a arte da guerra". É a ideia de ver onde seu oponente está colocando suas energias e usar isso para construir sua resposta vencedora. E tão importante quanto, como disse Bruce, “É uma ótima desculpa para um Samurai Eddie, o que eu acho legal”.

Steve veio com a primeira faixa e disse que se chamava Senjutsu”, diz Bruce. “Ele disse que era um termo japonês para ‘a arte da guerra’, e eu disse, 'Tem certeza?'. Então eu pesquisei na Bíblia do Google... e parece que há alguns significados diferentes para isso, mas nós vamos com 'a arte da guerra'". 

Não tenho certeza de que seja guerra [embora]...”, continua ele. “Eu olhei a letra e pensei: 'Parece que alguém está assistindo a Game Of Thrones!' Há pessoas do norte descendo das pastagens, há um muro, e eles precisam proteger o muro de todo custos. Eu disse, 'Você está falando sobre a Grande Muralha da China aqui? Nesse caso, estamos misturando muito nossas metáforas. E Steve disse:" Não, não é a Grande Muralha da China. É apenas uma parede. 'Não importa, realmente - é uma boa história e um ótimo vocal para cantar.

A guerra aparece muito. E embora Bruce diga que "absolutamente não é" um álbum conceitual, as palavras para Senjutsu (o álbum), no entanto, têm uma 'contagem de corpos alta', mesmo para os padrões do Iron Maiden. Longe da batalha, há canções sobre uma máquina do tempo (The Time Machine) e um pergaminho místico (The Parchment), mas também há a onda Churchilliana autoexplicativa de Darkest Hour, Stratego (em que Bruce canta 'Ensine-me a arte de guerra'), e o enorme Death Of The Celts. Todos muito entusiasmados, todos muito Maiden, todos muito desafiadores e ousados.

Mas a amplitude do álbum é mostrada em sua faixa final, a Hell On Earth, com seus 12 minutos, onde a maneira mais antiga da humanidade de resolver seus problemas é tocada, não em termos de coragem e glória, mas na realidade fria e sombria para aqueles pegos nela. As letras de Steve falam de ‘crianças armadas’ que estão ‘lutando em nome de Deus’ - não tanto George RR Martin, mas Ken Loach. Mas também fala a uma sensação mais geral, cansada do mundo, de que tudo está dando errado e, com isso, estamos perdendo algo de nós mesmos. Bruce chama isso de "a merda de sempre dos velhos rabugentos", mas também há um coração menos petulante ali.

É sobre o estado de merda em que se encontra a Terra”, diz ele. “É quase nostálgico para algo que não seja a situação em que nos encontramos agora. Foi tudo escrito pré-COVID e lockdown e tudo mais, mas [também trata de] ver como o mundo está indo, como as coisas são despersonalizadas e banalizadas. [Agora há] tanta escolha, você não sabe o que fazer consigo mesmo...


Muitas vezes em nossa conversa, Bruce reitera com entusiasmo o quão bom ele acha que o álbum é; como ele mal pode esperar que as pessoas ouçam. E você pode acreditar no que ele diz: ele próprio está genuinamente impressionado, por ter se distanciado disso. É um trabalho genuinamente impressionante também, assim como The Book Of Souls - não apenas bom, mas um álbum que mostra o Iron Maiden trabalhando e tendo sucesso em se manter criativamente renovado. As esperanças de Bruce para isso são: “Quando ouvirem o álbum, as pessoas dirão,‘Caralho!' ". 

Sua confiança é tão alta que a certa altura ele se inclina e, embora não diga isso com um empurrãozinho e uma piscadela, pisca para nós: "É um álbum realmente incrível. Provavelmente desejo tocá-lo inteiramente ao vivo. Isso seria bastante ambicioso, não seria? "


Quando você tenta ser‘ Iron Maiden ’, é aí que o perigo aparece ...

Talvez, talvez. E isso é outro ponto aqui: o Iron Maiden, mais de 40 anos desde sua estreia e 17 álbuns, ainda quer desafiar, fazer diferente. Eles querem tratar seus fãs de forma inteligente, como pessoas que gostam deles pelo que fazem, não apenas pelo que fizeram. Isso exige coragem. Também é preciso ter a coragem de expressar suas convicções em seu próprio trabalho. Mas, realmente, para todas as surpresas e trilhas de papel e sugestões de tocar álbuns duplos ao vivo, não é tão diferente. É apenas a Donzela sendo desafiadora, confiável, sendo Iron Maiden

A chave para fazer algo surpreendente é não tentar surpreender as pessoas”, diz Bruce. “quando você tenta ser o Iron Maiden, é quando o perigo aparece. Por definição, tudo o que fazemos e pelo qual somos apaixonados - será o Iron Maiden! Mas quando você tenta e pensa muito, então você corre o risco de se encurralar e cair em seu próprio clichê. Não! Deixe isso para as bandas de karaokê.

Que o Iron Maiden se recusa a ser apenas isso é a coisa menos surpreendente de todas. Aqui está a notícia: eles estão de volta e ainda são brilhantes! E você não precisa ser um decifrador de códigos para ver isso. 

Senjutsu do Iron Maiden será lançado em 03 de setembro pela Parlophone Records.


Sobre Iron Maiden Brasil

Iron Maiden Brasil

2 comentários: