[Iron Maiden] - As letras e suas nuances - Uma análise das canções Iron Maiden - Parte 2

 

As letras e suas nuances 

Uma análise das canções Iron Maiden 

 Parte 2




A saga continua! Hoje vamos começar com a músicas que começam com a letra A

Aces High

Powerslave, 1984

Não são só os europeus que se interessam pela história da Segunda Guerra Mundial. Entretanto, os ingleses a trazem no bolso como um sinônimo de êxtase e vitória atribuídos ao grande politico Winston Churchil. 

O que a gente mais sabe das famosas guerras mundiais e seu impacto no Brasil,  além dos livros de história e publicações, são aqueles que familiares ou historiadores que relatam como essa foi uma época de recessão no Brasil.

Faltou comida, as coisas eram excassas, e o rádio era o mais importante meio de comunicação da época. 

"Berlim foi bombardeada"

Eram assim as noticias, disse me minha mãe que morava no Rio na década de 40 e hoje tem 83 anos. Mas não se sentia diretamente na pele o horror da morte e da guerra. A consequência mais significativa para o Brasil foi a imigração intensa de descendentes italianos fugindo do facismo de Mussolini e outras etnias, como japoneses, sírios, etc... 

E não podemos deixar de lembrar dos pracinhas, os soldados brasileiros que foram dar reforço aos aliados. Na Inglaterra, significou orgulho ufanista. 

"Derrubamos os alemães" 

A guerra acabou! Por isso no iniciou de "Aces High" ouvimos o discurso de vitoria de Winston Churchil, lindo e que é sempre bom relembrar. Churchill era também um artista, um poeta de palavras motivadoras, um líder por excelência. Seus discursos eram reflexo da sua genialidade estratégica. 

O que mais acho emocionante mesmo é ouvir isso no inicio da tour Legacy of The Beast com o heavy metal poderoso do Maiden depois. Ambiente bélico e direito a Bruce de aviador. 

Para complementar, só me resta dizer que a frase mais incrivel - "Live to Fly, Fly to live" é inspiradora, remete à liberdade e claro, ao poderio aéreo da Inglaterra com seus Spitfires e Lancasteres utilizados na  2º Guerra Mundial.



Afraid to shoot strangers

Fear the dark, 1992

O tema da guerra e de qualquer coisa que significa combates por interesses das minorias desprivilegiados, que são obrigados a colocar soldados subordinados na linha de frente, sempre foi algo tema para analise e discussao.

Por que a guerra? Tantas jovens vidas e tantos sonhos são despedaçados instantaneamente. Ninguem é importante na guerra, só mesmo mais um número. Essa dor é sempre representada por Steve Harris em várias canções e em várias fases da sua carreira. Nesta triste mas linda canção, podemos ver a o medo do soldado diante do seu inevitável destino de atirar em estranhos. 

Quem viu essa música ao vivo no RIR2013? 




Age of Innocence

Dance of Death, 2003

Aqui continuamos a tratar de uma questão de revolta, com enfoque no protesto de natureza politico social. Esta letra é densa e tem muito alarme social. Ele fala de politica, de guerra, de sociedade. Fala do momento em que nos damos conta que somos enganados, engolidos pelo sistema, pagamos pra trabalhar, ralamos pelo benefício do conforto dos privilegiados. Reflexão boa. 


Alexander The Great

Somewhere in time, 1985

O Iron Maiden já era um império quando a banda gravou o clássico Somewhere in Time, após a exaustiva World Slavery Tour. O grandioso hit Alexander The Great, com sua bateria inicial estilo tropa, sua magnitude em guitarras clássicas e a extensão recheada do virtuoso vocal de Bruce, torna esta canção requintada e lírica. 

A historia de grandes guerreiros, vencedores, lideres e mestres parece atrair sempre a vida de pessoas bem sucedidas. Amantes da história, os musicos do Maiden também eram apaixonados por conquistas. conquistaram fronteiras na europa, na america, na asia, na oceania...e pelo menos uma vez na Africa (Africa do Sul,  Tour X Factor 1995). O Maiden conquistou fãs, terras de fãs, vestiu milhares de jovens de preto e de "eddie" pelo mundo, mudou a historia da musica pesada, influenciou gerações. A grandiosidade de um se espelha no outro. Corajosos, determinados, sempre a seguir em frente e a vencer. Eis um grande guerreiro: o imbatível Steve Harris. 




Another Life

Killers, 1981

Tem uma letra depressiva e pertence à fase "Dianno" mas os primordios do NWOTBHM , cancao com detalhes como seu verdadeiro compositor e o que as letras podiam representar um momento introspectivo e solitário, contrastam com as guitarras cruas e secas deste clássico dos anos 80.





Parabéns ao aniversariante, KILLERS.. 








Sobre Verônica Mourão

Verônica Mourão

2 comentários: