Dave Murray - Guitarrista do Iron Maiden fala sobre a Leg da Tour The Legacy of The Beast.



Dave Murray, guitarrista do Iron Maiden, fala sobre o Legacy Tour depois do incendiário fim de semana no Brooklyn.

Semanas depois de tocar nos Estados Unidos em julho de 1981, o Iron Maiden fez sua estréia em Nova York no The Palladium, na E. 14th Street. Durante quatro noites, os jovens músicos apresentaram faixas do álbum de estréia da banda e subseqüente clássico, Killers, enquanto abrindo para os pioneiros do heavy metal britânico Judas Priest.

Trinta e oito anos depois, a banda invadiu o palco por duas noites consecutivas no Barclays Center, no Brooklyn. Apenas alguns dias depois da turnê Legacy of the Beast, o Iron Maiden passou por décadas de sucessos entre uma variedade de adereços, cenários temáticos e pirotecnia. A voz do vocalista Bruce Dickinson, ecoou para as vigas do teto, enquanto ele percorria cada centímetro do palco, mas não sem mudar seu traje para o tema de cada música - de óculos de piloto de caça a parca de um soldado do Ártico.

O sr.Dickinson, que usava espada, estava cercado pela formação mais reverenciada da banda: o fundador e baixista Steve Harris; Batalhando com o trio de guitarras Dave Murray, Adrian Smith e Janick Gers; e o implacável Nicko McBrain na bateria. Ao longo das 16 músicas, as lendas do metal trouxeram à Nova York várias fases do Iron Maiden, com musicas como Piece of Mind (1984), Fear of the Dark (1992), Brave New World (2000), e álbuns mais clássicos. Durante todo o show de duas horas, o tempo se moveu em movimento rápido enquanto a multidão gritava em uníssono para no coro de “The Trooper” para “The Evil That Men Do”

Para comemorar o lançamento da turnê Legacy of the Beast na América do Norte, o guitarrista Dave Murray - um veterano do Iron Maiden desde 1976 - conversou com a Forbes sobre a produção atual da banda, seus primeiros dias de turnê pela América e o sucesso sustentado do grupo pelo mundo.

Antes de chegar à América do Norte, o Iron Maiden fez o tour do Legacy of the Beast pela Europa. No show em Genebra, Bruce falou para a multidão em francês. É comum ele falar uma língua diferente para a multidão?


Ele é fluente em francês. Ele faz isso quando estamos na França, na Europa ou até no Canadá. Ele basicamente faz todo o show em francês. Ele está tendo uma conversa muito agradável com o público e, assim que ele anuncia uma música [em inglês], lá vamos nós. Por sorte é auto-explicativo.

Você entende o que ele está dizendo?

Na verdade não. [risos] Apenas o “oui”, “merci”, esse tipo de coisa. Mas eu sei de fato que é edificante e os coloca na ponta dos pés! Faz mais de uma conexão entre a banda e o público. Você está fazendo um esforço para se comunicar em seu idioma. É uma coisa linda.

ste tour percorre todos os anos do Maiden. Você se sente como se as músicas e cenas teatrais estivessem destinadas a transportar a multidão através de todos esses diferentes períodos da banda?

Sim. Ele também tem uma conexão direta com o jogo para celular Legacy Of The Beast. Alguns destaques do show são baseados no conceito do jogo. Quanto à teatralidade, é definitivamente o maior show que já trouxemos.

É um crossover, a dinâmica entre o jogo e o aspecto retrô de algumas das músicas antigas. Com a produção visualmente, músicas como "Aces High" e "Where Eagles Dare", já fizemos antes, mas com esse show em particular, você está olhando para um conceito totalmente diferente. Estamos nos divertindo muito.

Você está na banda há mais de 40 anos. É estranho ou esmagador subir ao palco e percorrer toda a sua carreira em duas horas?

Nós pensamos sobre isso. Obviamente, algumas músicas que fizemos e depois você as deixou por 20 anos. Você não os toca nem os ouve. Quando você volta, você está basicamente reaprendendo-os novamente. Traz uma boa nostalgia e faz você perceber a força do material mais antigo. O Maiden sempre foi conhecido pelas músicas - todos os ritmos, melodias e harmonias, nos mantemos tão fiéis ao disco quanto possível.

É um show de adrenalina. Há partes calmas e melancólicas em algumas músicas, mas é basicamente completo. Foi assim que fomos naquela época. Estamos apenas recriando isso agora.

Quando você está em pé no palco durante "Aces High" e um grande avião emerge em cima de você, você já pensa: "Hmm, talvez eu devesse ir para o outro lado do palco porque esse avião pode cair em cima de mim?" Ou você não se incomoda?

Isso é uma sensação incrível. É como um monólito, e então sai um Spitfire enorme e direto. Ele define o cenário para o resto do set. Quando você está olhando para cima, se você levantar as guitarras o suficiente, você provavelmente poderia tocá-lo. É tão perto!

Já que o avião está apenas pendurado durante uma música, há outros momentos no set que se destacam para você?

Ao longo do show, o set muda. Ele também vai para um tema de janela de vidro manchado da igreja. Para cada música, elas são todas diferentes. Muita pyrotecnia. Bruce está se divertindo muito. Nós fazemos "flight of icarus", o que é ótimo. É uma das músicas mais curtas que fazemos, mas é realmente dinâmica.

Na verdade, Bruce usa um lança-chamas duplo durante esta música.Qual foi uma das suas montagens de palco favoritas ou mais loucas ou adereços do passado?

Nós tentamos manter os adereços e definir algo especial e dinâmico. Na Somewhere In Time tour, tivemos naves espaciais e carros voadores e depois [para Powerslave] o tema egípcio.

OEddie tem sido muitos personagens diferentes ao longo dos anos: um cyborg, soldado, todos os tipos de coisas que você pode brincar. Mas toda vez que os fãs assistem a um show, será um novo set-up. É uma progressão de tudo que fizemos. Nós sempre nos orgulhamos de fazer uma grande produção. Isso é parte de toda a filosofia do Iron Maiden. A música é uma parte importante, mas também são as luzes, o som e os acessórios.

Os caras que trabalham nisso e criam essas ideias, é um processo muito criativo. Qualquer coisa é possível! É como um grande mago. Cria essa imagem e faísca. Algo que lhe dá arrepios. Ou, na verdade, fantasmas [risos]. Sim, é mais assim.

No fim de semana passado você tocou em dois shows no Brooklyn. Você se lembra da primeira vez que tocou em Nova York?

Foi em 1981 no Palladium. Havia mais de um local clubby que tocamos lá nos anos 90. Nós apresentamos em alguns lugares, mas o Madison Square Garden, obviamente, é um dos melhores shows que você poderia fazer em Nova York para uma banda britânica, porque historicamente tudo o que aconteceu naquele prédio através dos esportes e de todas as pessoas que jogaram lá. Esse é um dos destaques. Nova York, eu me lembro de ir lá pela primeira vez, andando e era como "Que cidade!"

É sempre bom tocar em Nova York. É ótimo tocar em qualquer lugar, sabe? Nós vamos e colocamos no mesmo show, não importa em que cidade estamos tocando. E a resposta do público até agora tem sido fantástica.

A banda foi passear quando você chegaram em Manhattan?

Fomos ao Central Park, perambulamos e subimos o Empire State Building. Eu conhecia alguém que trabalhava no Electric Lady Studios. Então eu fui e fiz um tour. Isso foi em 1981. Eu li sobre isso e, de repente, foi capaz de ir e visitar!

Nós estávamos basicamente apenas sendo turistas, tentando ver tantos lugares quanto possível naquele curto período de tempo. Mesmo agora não envelhece. Vindo do Reino Unido para os EUA, era um mundo totalmente diferente. Eu amo tocar aqui.

Neste set você toca “Sign Of The Cross” e “The Clansman”, que são músicas da época de Blaze Bayley. Por que foi importante para a banda ainda tocar essas músicas, apesar de Bruce Dickinson estar de volta na banda por tantos anos?

Pessoalmente, eu não tive muito a ver com as músicas sendo colocadas juntas. Mas eu acho que essas músicas são clássicas. Elas têm tudo o que o Maiden é: As introduções silenciosas, muitas mudanças de tempo, e bastante demorados. Elas também são muito bons para tocar ao vivo. Mesmo que eles eram da era Blaze - não importa, porque ainda é Iron Maiden como uma banda.

Bruce canta absolutamente incrível. Ainda estamos usando tudo o que o Iron Maiden fez. Não é como se nós não fizéssemos uma música porque era aquela era de Blaze. Queríamos incorporar todos os aspectos da história do Iron Maiden, independentemente do ano. E nós gostamos de dar aos fãs canções que eles possam cantar junto.

A banda recentemente esgotou 90 mil ingressos para o Rock In Rio 2019 em duas horas. O que passa pela sua cabeça quando você ouve esse tipo de notícia depois de passar mais de 40 anos na banda?

É inacreditável, não teríamos imaginado que ainda poderíamos fazer isso. Esse momento da banda cresceu nos últimos anos. É uma nova geração de fãs agora que estão chegando. Provavelmente haverá cerca de três ou quatro gerações por aí. Eu sempre digo que is meninos mais jovens provavelmente estão na frente e as mais velhas ficam na parte de trás.












Sobre Verônica Mourão

Verônica Mourão

1 comentários:

  1. Esses caras podiam ser eternos, melhor coisa do mundo ir num show deles, sorte nossa de poder presenciar isso!

    ResponderExcluir