[BLAZE BAYLEY] - Cantor expõe a influência do Iron Maiden em sua carreira solo

“BRUCE DICKINSON sempre apoiou minha carreira solo”



Hayley Leggs, da Total Rock Radio, realizou uma entrevista com o vocalista britânico Blaze Bayley (IRON MAIDEN, WOLFSBANE) na edição deste ano da Hammerfest, que foi realizada no fim de semana passado em Pwllheli, País de Gales, Reino Unido.
Sobre os comentários feitos por Bruce Dickinson, sobre o tempo em que Blaze estava na banda:
Blaze: “Conheço Bruce há muito, muito tempo. E antes de me juntar ao IRON MAIDEN, estávamos em Nova York com o WOLFSBANE fazendo um show e Bruce apareceu, nos comprou uma cerveja e mantivemos esse costume. Quando eu estava no MAIDEN, Bruce foi muito solidário e, depois (que ele já estava de volta ao MAIDEN),  apoiou minha carreira solo e de fato; no último álbum, eu quis fazer um vídeo pra música que  chama-se ‘Escape Velocity’ e o coro é a frase: ‘Eu vou voar’. Então, eu pensei: ‘Sabe, seria ótimo se pudéssemos usar um simulador de vôo. E quem eu conheço? Hmmm‘. Então entrei em contato com Bruce e ele me permitiu usar um dos simuladores de vôo de sua empresa. Quero dizer, isso custaria uma fortuna, se você tivesse que pagar por isso, e ele me deixou usar isso o dia todo, e filmar nosso vídeo para ‘Escape Velocity’. Foi incrível. Foi fantástico. Ele foi muito solidário. Sempre que estamos juntos em uma sala, dizemos ” Ola” . Há um momento e um olhar entre nós, e eu acho que é uma coisa não falada,  que acabamos por nos conectar e pensar: “Existe uma outra pessoa que sabe o quão difícil é ser  cantor do IRON MAIDEN”. [Risos] 


Sobre os desafios de ser acolhido pelos fãs do MAIDEN como o substituto de Dickinson:
Blaze: “Realmente, minha voz é muito diferente da de Bruce. Quero dizer, ele é uma voz lendária e marcante de metal pesado, e minha voz é muito, muito diferente. E acho que talvez o MAIDEN realmente queria uma mudança,  eles queriam uma voz diferente naquela época com os álbuns, ‘The X Factor’ [1995] e ‘Virtual XI’ [1998], em que eu estava. E foi o início da era progressiva de IRON MAIDEN com a qual estamos familiarizados agora, com as músicas mais longas e maior produção e tudo. Então eu sinto que eu estava lá em um momento importante na história de MAIDEN, embora possa não ter sido tão popular entre todos os fãs, e ainda há muitos fãs de MAIDEN que me odeiam É um momento interessante. E agora, os álbuns ‘The X Factor’ e ‘Virtual XI’ foram lançados em vinil e eles foram remasterizados, e essas versões de vinil remasterizadas são muito mais fortes do que as versões de CD originais. Tem um público muito pequeno, e é uma pequena quantidade de fãs que esta se interessando por mim na reedição do vinil “.

Nas linhas de composição, ele aprendeu como ser membro do Iron Maiden:
Blaze: “Eu tenho que dar crédito, na verdade, quando eu estava no MAIDEN trabalhando com Steve Harris, baixista da MAIDEN. Ele me ensinou muito sobre a composição de músicas e ele me ajudou a encontrar essa parte extra da minha voz, que é uma parte importante do meu som agora. E acho que o mais incrível foi quando estava lá com Steve e pude ver a idéia de sua cabeça, entrar na sala de ensaio e depois ir gravar o álbum.  É uma verdadeira lição. Foi ótimo aprender isso. E assim, na minha trilogia “Infinite Entanglement“, existe uma forte influência desse tipo de relacionamento mentor onde aprendi muito,quando escrevi ‘Futureal’ e ‘Virus’ e ‘Man On The Edge “com Steve e o resto dos caras, aprendi muito com isso, e acho que é por isso que eu conseguiria ter a confiança para dizer:” Este não é apenas um álbum. Estes são três álbuns e é uma história… Isso ultrapassa três álbuns. ‘”
O terceiro álbum na trilogia “Infinite Entanglement” de Blaze foi lançado em 2 de março. Intitulado “The Redemption Of William Black”, é a terceira parte da trilogia, levando o conceito de ficção científica à uma conclusão.
“The Redemption Of William Black” é o décimo álbum da carreira solo do Blaze

Sobre Verônica Mourão

Verônica Mourão

2 comentários: