[Resenha] - O que você ainda não sabe sobre a autobiografia de Bruce Dickinson

Em seus 30 anos como líder da Iron Maiden, Bruce Dickinson foi uma estrela de rock, piloto, esgrimista, cineasta, empresário, radialista, autor, sobrevivente de câncer e provavelmente algumas outras vocações que não faço idéia. Sua vida notável é relatada em sua autobiografia.




WHAT DOES THIS BUTTON DO?

Dickinson, agora com 59 anos, realmente escreveu o manuscrito A MÃO, renunciando a digitação.

Ele é um escritor talentoso, dinâmico nas colocações e traz o leitor para um passeio.

Dickinson é reservado sobre sua vida pessoal, mas é sua magia e carreira que os fãs querem saber e logo ele entrega essas informações.

Ele relata como começou e se juntou ao Samson e depois recebeu sua grande chance como vocalista da Iron Maiden.





Ele entrou em um redemoinho cheio de riquezas e recompensas, mas também um monte de estresse e pressão que vão desde a tensão em sua voz cantando, as brigas com Steve Harris, nos microfones e monitores no palco.

Os contos cômicos da estrada abundam, juntamente com momentos mais sérios, como a viagem que mudou sua perspectiva de vida ao tocar em Sarajevo, destroçado pela guerra.

Dickinson também conta as histórias de como os álbuns foram criados, o que também ajuda a explicar algumas das tensões dentro da banda.

O cantor se afastou do Maiden em um período e lançou vários álbuns solo de sucesso antes de voltar à banda. Durante algum tempo de inatividade no Maiden, nós descobrimos que ele também poderia ter feito um trabalho de Metal em The Three Tenors, incluindo Ronnie James Dio, Rob Halford e Dickinson.



O empresário Rod Smallwood queria Geoff Tate do Queensryche em vez de Dio, mas uma reunião entre Dickinson e Tate fez com que o projeto declinasse.

A aviação é o outro grande amor de Dickinson, e depois de obter sua licença de piloto, o cantor se imergiu em seu amor pelos céus. Há um monte de divertidas histórias de vôo no livro, de uma aventura solitária angustiante por Las Vegas para conseguir um trabalho de um dia para pilotar aviões comerciais e finalmente pilotar aviões que levariam Maiden ao redor do mundo.



A paixão e a dedicação a um hobby ou algo de seu interesse é um tema recorrente ao longo do livro.
Dickinson parece incapaz de fazer algo casualmente, abraçando-o de todo o coração e tornando-se o mais qualificado possível. Esse também foi o caso da esgrima, onde ele contratou treinadores de classe mundial e passou inúmeras horas praticando.

Essa mesma dedicação também foi evidente quando ele lutou contra o câncer no pescoço e garganta há alguns anos atrás. Ele foi informado de que outra pessoa havia se recuperado da mesma doença e disse que iria fazê-lo mais rápido possivel, e fez. Ele não aborda tanto sobre como foram dificeis e dolorosos o tratamento e convivência com a doença.

O que Dickinson escolhe para compartilhar no livro é brilhante, interessante e muito divertido.



O que você não lê é a sua vida pessoal. 

Enquanto aborda alguns fatos sobre uma educação difícil ( Ele não viveu com seus pais durante os primeiros anos de vida e foi enviado para o internato) - não há menção de esposas, relacionamentos ou filhos.

Posteriormente, ele escreve que tomou a decisão pessoal :

"sem nascimentos, casamentos ou divórcios de mim ou de qualquer outra pessoa".

O livro poderia ter sido ainda mais interessante se alguns desses elementos fossem incluídos, mas poderia ter sido consideravelmente longo, e seu comprimento atual de pouco menos de 400 páginas é quase certo.

What Does This Button Do? Uma autobiografia



É uma leitura muito convincente sobre alguém que é muito mais do que apenas o cara que canta no Iron Maiden.

Dickinson é extremamente simpático, e, além de ser recheado de histórias de alguém que você gosta como se fosse seu amigo, você descobrirá algumas lições de vida que durarão muito tempo depois de fechar o livro.

Tradução - Verônica Mourão
Fonte: http://loudwire.com/bruce-dickinson-what-does-this-button-do-an-autobiography-book-review/



Sobre Verônica Mourão

Verônica Mourão

6 comentários:

  1. Versão em português , quando ??????

    ResponderExcluir
  2. Líder do Iron Maiden??? kkkk... nunca foi e nunca será!!! (JEAN)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Em muitos aspectos, Bruce Dickinson encaixa-se perfeitamente no conceito de "lider" da banda. Além de ser comum e natural esse adjetivo direcionado ao vocalista de qualquer banda ( mesmo quando outro integrante - de fato - o é ), Bruce Dickinson, desde sua primeira passagem pela banda entre 1981 e 1993, foi o responsável direto por muitas das composições de sucesso da banda que tornaram-se clássicos eternos do Metal. Após a saída dele, a banda mergulhou em um quase ostracismo. Após a volta dele, o Iron Maiden voltou ao topo, de onde nunca mais saiu. Bruce Dickinson sempre foim e continua sendo, apontado por quase todos como o mais importanta vocalista de Metal de todos os tempos e incorpora todas as qualidades esperadas de um grande frontman. É, sempre foi e sempre será um dos líderes do Iron Maiden.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. depende do ponto de vista Viviane. Chefão mesmo é o Steve. mas o grande frontman é o Bruce. Obrigada pela participação. p.s. O texto tradução da Loudwire

    ResponderExcluir