[ BLAZE BAYLEY ] - Endure and Survive (2017)


Fonte: Jhonny Z - Metal na Lata

Depois que Blaze Bayley encontrou na banda Absolva músicos competentes e de extremo gabarito, sua carreira começou a entrar novamente nos eixos. O fraco "The King Of Metal" (2012), que ainda não contava com sua banda atual é uma prova cabal disso.

O ótimo álbum "Infinite Entanglement" (2016), primeiro de uma trilogia, já contava com o Absolva como banda de apoio, à saber: Chris Appleton (guitarra), Martin Mcnee (bateria), Karl Schramm (baixo) e, como convidado, Luke Appleton (guitarra, mas aqui tocou alguns violões e gravou backing vocals) e em "Endure And Surive" - parte dois da trilogia - o repeteco se torna mais vibrante, mais coeso e mais como uma banda mesmo.

A sonoridade dos dois álbuns se assemelham muito, logicamente proposital para tornar a trilogia bem unida mantendo o foco na história, que aqui fica mais obscura que seu antecessor. Ponto para a produção, à cargo de Chris e Blaze, que deixou tudo bem claro ao ouvinte e certas horas até nos remetem ao bom e velho Heavy Metal do Iron Maiden. Escute simples, mas eficaz "Fight Back" e me diga o contrário se for capaz! (risos)

Creio que, com esses dois álbuns, seja o mais próximo que Blaze chegou da sonoridade clássica de sua ex-banda, o que não pode-se levar como ponto negativo de forma alguma, mas sim positivamente o elevou a um nível ainda mais alto. Seu vocal e timbre característicos, sem estrepolias e com muita emoção (sim, eu duvido alguém falar que ele não poe a alma quando canta) cativa o ouvinte tanto nas faixas mais pesadas como nas mais ambientais beirando algo mais acústico, calmo e com ambiência medieval em violões de corda à cardo exímio músico Thomas Zwijsen, como na belíssima faixa "Remember".

Heavy Metal de extremo bom gosto é predominante em nove de dez faixas do álbum, sendo a já citada "Remember" a mais fora dos padrões do estilo, mas de um extremo bom gosto ímpar. A climática "Eating Lies", com sua introdução, também, em violões de cordas, beira a perfeição devido a performance impecável de todos, principamente Blaze que esbanja emoção em suas linhas.

As palhetadas de Cris Appleton são os destaques do álbum, porquê elevou aquela áurea clássica do Metal às alturas como na faixa título, na vibrante "Escape Velocity" e em "Blood" (melodias grudentas e cativantes), só para citar alguns exemplos. "Destroyer", "Dawn of the Dead Son", com uma acentuação um pouco mais Power Metal e com muita melodia, provavelmente serão bem aceitas nos shows ao vivo, bem como o lado mais progressivo e melancólico em "Together We Can Move the Sun" Excelentes!

Um ótimo disco, ótima continuação e que venha a parte três ano que vem! Agora, um conselho de fã: Blaze, mantenha essa formação por quê prevejo ótimos frutos e todos (você, banda e fãs) só terão a ganhar com isso!




Sobre Alexandre Rodrigues Temoteo

Alexandre Rodrigues Temoteo

4 comentários:

  1. A discografia do blaze e muito boa mesmo essa trilogia e muito legal 👍 up The Irons

    ResponderExcluir
  2. Há ótimas músicas nesse álbum.

    ResponderExcluir
  3. Blaze ainda tem muito o que produzir. Dois álbuns ótimos nota 8,5 e que venha o 3º disco!

    ResponderExcluir
  4. Parábens pelo ótimo trabalho,curto praticamente todos os álbuns,mas essa trilogia tá muito foda!!!!
    Continue assim Blaze!

    ResponderExcluir