Brasileiro desvenda fatos históricos em músicas do Iron Maiden.

Doutor em Letras revela linha cronológica da Pré-História à Segunda Guerra em canções de conhecida banda de metal e analisa nova música.

Por Laura Portugal



No cockpit de um avião da Força Aérea Real, em alucinante perseguição pelos ares durante a Segunda Guerra, o piloto inglês mira o inimigo nazista e aperta o gatilho. Num campo de batalha na Crimeia, em 1854, em meio ao cheiro de pólvora e à respiração dos cavalos, o soldado britânico cai paralisado e com a garganta seca ao ser baleado pelos russos. Dentro de uma fria cela medieval, o condenado à morte pela Inquisição descreve seus últimos momentos, enquanto aguarda pelo carrasco. A presença de cenas da história mundial em músicas da lendária banda de heavy metal britânica Iron Maiden ­ que acaba de lançar um novo álbum e fará shows em vários países do mundo a partir de fevereiro – tornou-se alvo de pesquisa acadêmica no Brasil.

Nos artigos técnicos Temas Históricos em Canções do Iron Maiden, partes 1 e 2, Lauro Meller, doutor em Letras pela PUC de Minas Gerais e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), traça uma linha cronológica da Pré-História à Segunda Guerra Mundial com a análise minuciosa de sete músicas do grupo.

"O Maiden presta uma grande contribuição ao despertar a curiosidade do seu público, principalmente o mais jovem: as canções se tornam portas de entrada para outros conhecimentos", afirma o paraibano de 41 anos, que na UFRN coordena o Grupo de Estudos Interdisciplinares em Música Popular.

Ele ressalta que, desta forma, o sexteto britânico se distingue de boa parte das outras bandas de heavy metal, cujas letras abordam "violência, drogas ou mulheres, num ponto de vista quase sempre machista".

A análise de Meller não se restringe às letras. Guitarrista, violonista e baixista afiliado à Ordem dos Músicos do Brasil, ele destrincha linhas melódicas, arranjos, registros vocais, riffs e solos de guitarra – e como estes ingredientes musicais potencializam a mensagem de cada canção.

CONFIRA O TRABALHO DE LAURO MELLER
- Historical Themes in Iron Maiden Songs (Part I): From the Cavemen to the Vikings
- Historical Themes in Iron Maiden Songs (Part II): From the Inquisition to the Second World War


"O Maiden associa às letras o instrumental grandioso, próprio do heavy metal. É possível estabelecer paralelo entre o heavy metal e a música erudita, principalmente a do século 19 no sentido do volume sonoro 'poderoso' e dos temas de guerras", descreve o pesquisador, citando a Sinfonia 1812, escrita por Tchaikovsky em 1880, que retrata batalha travada entre França e Rússia, e ainda composições de Richard Wagner para orquestras com mais componentes do que era o padrão – aumentando, portanto, o "volume sonoro".

No álbum recém-lançado (The Book of Souls), chamou atenção do público e da crítica a faixa Empire of the Clouds, que mais uma vez narra um episódio histórico: desta vez, o acidente com o dirigível britânico R101, que caiu na França em sua viagem inaugural, em outubro de 1930.

Com 18 minutos, é a canção mais longa de toda a discografia do Iron Maiden, grupo com quase 40 anos de estrada. Além disso, de maneira inusitada para os fãs, mescla piano, violino e violoncelo às três guitarras, à dupla baixo/bateria e à potente voz do cantor Bruce Dickinson, autor da obra.

A canção inspirou Meller a decidir mergulhar, em 2016, na produção de um livro que incluirá análises desta e de outras músicas, além das sete que integram os artigos já produzidos e divulgados na íntegra na publicação técnica Revista Brasileira de Estudos da Canção.

"Vou ampliar os textos, de modo a publicar um trabalho de grande fôlego. O título seria Temas Históricos e Literários nas Canções do Iron Maiden, incluindo também faixas inspiradas na literatura", revela o estudioso, citando como um dos objetos do trabalho a antológica The Rime of the Ancient Mariner, lançada pelo Maiden em 1984 e baseada em obra do poeta romântico inglês Samuel Taylor Coleridge.

The Rime, com seus 13 minutos, era a mais longa faixa da banda até Empire of the Clouds.

"Será um projeto desafiador e importante, pois ainda não encontrei, principalmente em português, trabalhos de cunho acadêmico e analítico sobre a obra dessa singular banda, apenas biografias", explica o professor, que vai aliar o novo projeto ao pós-doutorado em música popular, a partir de janeiro, na Universidade de Liverpool, berço dos Beatles.


Faixas analisadas

Sete canções foram escolhidas por Meller para os artigos já publicados, entre as inúmeras composições do Maiden com alusões históricas. Ficou de fora, por exemplo, Paschendale (2003), sobre uma batalha entre britânicos e alemães na Primeira Guerra Mundial.

Alguns episódios são contados em terceira pessoa. Outros, na "voz" de anônimos, o que "contribui para maior dramaticidade e faz o ouvinte sentir-se ‘na pele’ do personagem", observa o professor. Confira:

Quest for Fire (Busca pelo Fogo) , 1983: narra como a fonte de luz e calor foi pivô de sangrentas batalhas pelas tribos pré-históricas.

Alexander the Great (Alexandre, o Grande) , 1986: percorre a biografia do soberano da Macedônia, nos anos 300 a.C.

Invaders (Invasores) , 1982: fala sobre as invasões dos vikings à Europa, entre os séculos 8 e 9.

Hallowed be Thy Name (Santificado Seja o Vosso Nome) , 1982: trata das horas anteriores à execução de um herege pela Inquisição. Em primeira pessoa, leva o ouvinte para dentro da cela do condenado.

Run to the Hills (Corram para as Montanhas) , 1982: traz duas óticas distintas – a dos homens brancos e a dos indígenase – durante as batalhas na época da ocupação da América do Norte (anos 1790-1850).

The Trooper (O Soldado) , 1983: sobre a Batalha de Balaclava, da Guerra da Crimeia, envolvendo britânicos e russos, em 1854. Em primeira pessoa, um combatente da cavalaria inglesa desafia o inimigo, mas depois detalha a própria morte.

Aces High (Ases no Céu) , 1984: Na introdução, ouve-se trecho do discurso de 18 de junho de 1940 do primeiro ministro britânico Winston Churchill, exortando os ingleses à batalha na Segunda Guerra. A canção descreve combate com a Luftwaffe de Adolf Hitler. Guitarras simulam, usando o efeito 'tremolo', o som dos 'mergulhos' das aeronaves.

Análise resumida da nova 'Empire of the Clouds', por Lauro Meller

A canção conta a história do dirigível R101, construído pelo governo britânico em 1929-1930, para deslocar dignatários aos recantos mais longínquos do Império. Era o maior dirigível do mundo e, tal como o Titanic, protagonizou uma catástrofe em sua viagem inaugural.

Em outubro de 1930, a caminho da Índia, atravessou, ao sobrevoar a França, uma forte tempestade, que arrancou o seu revestimento externo e deixou os reservatórios de hidrogênio desprotegidos. O consequente incêndio a bordo derrubou a aeronave.

A letra narra, passo a passo, a tormenta, o acidente e a desolação que se segue à morte de passageiros e tripulantes.

O letrista (Bruce Dickinson) opta por uma abordagem descritiva. Assim como no Paul McCartney de Penny Lane ou no Peter Gabriel de Get’em Out by Friday, é possível visualizar a narrativa, como se fosse um filme. O arranjo é construído de modo minimalista: os vários elementos vão sendo introduzidos paulatinamente. O acompanhamento musical "comenta" todas as etapas da narrativa.

À calmaria inicial, com destaque para piano, violino e violoncelo, seguem-se bateria e guitarras a pleno vapor, e a explosão da voz de Dickinson em registro médio-agudo, quando, por exemplo, a letra cita o gigantismo do R101, maior que o famoso cruzeiro Titanic. A voz pouco a pouco vai alcançando registros mais agudos, semioticamente representando a impaciência de uma tripulação que quer partir, mesmo com as condições adversas.

A voz atinge registro plenamente agudo, indicando uma gradual tensão, reforçada com a introdução de uma frase melódica repetitiva ao piano, que marca um diálogo entre um subordinado e o capitão. O primeiro diz que a aeronave jamais conseguirá cumprir o seu voo e o segundo insiste em prosseguir.

Na passagem, Dickinson dá voz aos anônimos da história e nos faz testemunhas desse diálogo em que a impaciência e a soberba, calcada na hierarquia, seriam responsáveis por uma tragédia.

Mais adiante, ouvem-se sequências de batidas executadas pela bateria, pelas guitarras e pelo baixo em sincronia, gradualmente tornando-se mais lentas e em desenho melodicamente descendente, como que transpondo, no plano musical, a curva também descendente da aeronave.

Na realidade, essas batidas (três curtas, três longas, três curtas) correspondem à sigla S.O.S. (Save our Souls ou Save our Ship), em código morse.

Aos 12 minutos e meio, os vocais retornam após uma longuíssima passagem instrumental, com versos cantados em registro agudo limite para o vocalista. Percebe-se sua dificuldade em atingir as notas mais altas, o que pode ser lido como uma limitação técnica, mas que contribui, semioticamente, para a construção da imagem de desespero em relação ao acidente.


Fonte: BBC Brasil






Sobre Alexandre Rodrigues Temoteo

Alexandre Rodrigues Temoteo

0 comentários:

Postar um comentário