BRUCE DICKINSON: HPV pode ter sido a causa do câncer


Tradução: Michelle Sanches

Confira abaixo entrevista concedida por Bruce Dickinson para a OpieRadio onde ele falou abertamente sobre o câncer, o tratamento e a sua recuperação.

Ele começa dizendo que já deveriam estar em turnê, que o álbum já devia ter sido lançado há algum tempo, mas que, como todos sabem, os planos foram adiados para que ele pudesse se recuperar do tratamento que fez para livrar-se de dois tumores.

Quando perguntado como ele descobriu o tumor, se foram exames de rotina, Bruce diz que, na verdade, ele mesmo se diagnosticara seis semanas antes de ir ao médico, e que ele ignorou o que quer que ele tivesse, ou que achava que tivesse, porque ele ainda estava finalizando sua parte na gravação do álbum (The Book Of Souls – que será lançado mundialmente nesta semana).

Ele disse que encontrou um caroço, em um dos lados do seu pescoço, e que este tipo de câncer (língua e garganta) parecem ter se tornado epidêmicos, pois sua incidência é enorme em homens acima dos 40 anos, e que este câncer está ligado, por algum motivo, ao vírus HPV.

Os entrevistadores fazem uma brincadeira, perguntando se o câncer pode estar ligado ao fato da prática de sexo oral (relembrando uma frase polêmica dita por Michael Douglas, há alguns anos). Bruce saiu pela tangente, dizendo que, se isso fosse verdade, deveria haver uma incidência maior entre as mulheres homossexuais, porém este é um tumor muito comum em homens, e raro em mulheres (20% menos casos em mulheres do que em homens), e diz que, embora cerca de 80% das pessoas do mundo já tenham sido expostas ao HPV, pouquíssimo se sabe sobre ele, ou sobre o porquê ele causa doenças em algumas pessoas, e nada nas outras.

O entrevistador pergunta a ele como ele se sentiu ao receber o diagnóstico, se foi positivo, como se dissesse “ok, vamos nos livrar disso”, ou se ficou mais pra baixo, “ah, droga, e agora?”

Bruce diz “Eu fui pesquisar sobre o assunto, e ver o que poderia acontecer. Toda a informação sobre o assunto, as pesquisas médicas, estão disponíveis para serem lidas, para que você possa se dar sua melhor chance. Eu tive um ótimo grupo de médicos, eles estavam bem confiantes, dizendo ‘vamos nos livrar disso pra você’; eu perguntei sobre cirurgia e eles disseram ‘oh, não, radiação e quimioterapia, e eu fiz os dois ao mesmo tempo.”

Bruce diz que passou por nove semanas de quimioterapia, e mais três de radioterapia, cinco dias por semana. Perguntado se ele ficou com algum efeito do tratamento da quimio e radioterapia, Bruce revela que sente um pouco de secura na boca e na garganta. Ele diz também que ficou resfriado, um tempo atrás, e foi estranho, porque ele não estava assoando o nariz, porque seu corpo não estava produzindo este tipo de ‘substância nojenta’. Ele disse que achou isso bem engraçado e estranho.

Disse que, inicialmente, isto afetou seu modo de cantar um pouco, porque ele simplesmente foi dito para não o fazer, para que deixasse tudo se curar. Ele diz que ainda está se curando, ainda tem um pouco de inchaço residual na garganta.

Sobre o tumor em sua língua, diz que os médicos falaram que o tumor poderia ter estado ali entre seis meses a um ano, e que ele não teria notado, se não fosse pelo tumor secundário, que apareceu em seu pescoço.

O entrevistador pergunta a ele se, quando soube do tumor em sua língua, ele achou que sua carreira como cantor estava acabada. Bruce responde, dizendo que sim, poderia ter acabado.

Bruce diz que o primeiro médico a examiná-lo foi um médico francês, que foi ao estúdio onde estavam gravando o álbum. Era um clínico geral, e ele recomendou a Bruce que fizesse exames, que incluíam uma biopsia, na garganta e na área do peito. Ele voltou para a Inglaterra, fez os exames e, cinco dias depois, recebeu o diagnóstico.

Bruce diz que foi perguntado pelo médico se ele fumava, ou se já fumou, e como sua resposta ao médico foi ‘não’, o médico lhe disse que suas chances de se livrar dos tumores haviam subido 20%, e que as chances de nunca ter recorrência dos tumores eram astronômicas, por ele não ser fumante.

Os entrevistadores perguntaram como foi o tratamento de quimioterapia, que todos dizem ser bem difícil. Bruce diz que, além da quimioterapia, ele tomava uma espécie de coquetel de medicamentos, para evitar que ele se sentisse mal o tempo todo. Diz que se sentia muito exausto, e que após ter recebido a primeira dose do tratamento, ele pensou ‘bom, já sei que eu não vou poder dirigir meu carro pelas próximas oito ou nove semanas’.

Bruce revela que seu câncer se encontrava no estágio 3, mas que era um tipo de câncer relativamente fácil de se lidar, de acordo com seus médicos.

Bruce revela também que um engenheiro que trabalha com o Maiden teve um tumor semelhante, e que ele nem tinha ficado sabendo. Apenas soube quando o mesmo, brincando, lhe perguntou como estava sua barba (uma vez que a barba e os pelos haviam caído, por causa da quimioterapia).

Bruce brinca dizendo que conheceu dezenas de outros homens que tiveram o mesmo tipo de tumor, ‘e eles nem eram caras que tiveram dezenas de parceiras sexuais, eram caras normais’.

Quando perguntado se ele, em algum momento, sentiu medo, Bruce responde ‘sim, é claro, mas não há muito que você possa fazer a respeito’, e diz que é muito pior para as pessoas que estão ao seu redor, do que para o paciente em si.

Bruce revela que lhe ofereceram um tubo de alimentação, no começo do tratamento. Ele brinca, dizendo que seu médico lhe disse que lhe daria um, como presente de natal, porque ele provavelmente não conseguiria ingerir sólidos ou líquidos, próximo ao fim do tratamento. Bruce brinca, dizendo que respondeu ‘não, obrigado, eu irei me alimentar’.

Bruce também mostra bom humor ao ser perguntado sobre mudanças no seu paladar. Ele diz que o médico lhe disse ‘você pode perder o gosto (em inglês, taste, que pode significar o sentido do paladar ou bom gosto)’, e Bruce lhe respondeu ‘Gosto? Qual é, você nunca viu as calças que eu usava?’

Ele diz que, deixando o humor de lado, ele passou por 3 estágios. O estágio de sentir pena de si mesmo, o de achar que era um pesadelo e ele acordaria a qualquer momento, e por fim aceitar a situação e tentar ver o que acontece.

Bruce diz que perguntou a seu médico quanto tempo levaria até ele se recuperar, para poder voltar a cantar como antes, e o médico lhe disse que cerca de um ano, baseado na recuperação de outro paciente que ele teve com o mesmo tipo de tumor. Bruce brinca, dizendo que está tentando quebrar o recorde deste cara.

Bruce diz que ainda não voltou a cantar, mas de vez em quando vai até a cozinha e dá uns gritos.

Bruce diz que, após o fim do tratamento, seu médico lhe disse ‘eu preciso te confessar uma coisa, eu gosto um pouco de Iron Maiden, mas na verdade eu sou um grande fã do Rush’. Bruce diz que lhe respondeu que provavelmente era por isso que ele era um ótimo médico especialista em radioterapia. Também revela que sua laringe não foi atingida em nenhum momento do tratamento, então seu alcance vocal não irá ser prejudicado em nada.

O entrevistador pergunta a Bruce se ele passou a olhar para a vida de modo diferente, e ele responde que irá apenas ter menos tempo para pessoas que desperdiçam seu tempo. ‘Se eu quiser perder tempo, eu mesmo farei isso, muito obrigado’.

Ele relembra que recebeu morfina, por duas semanas, por causa da dor e desconforto, e diz ter ficado decepcionado com a morfina. ‘Eu realmente esperava ver elefantes cor de rosa, ou estrelas tentando cortar minha orelha fora, ou escrever poesia, ou algo do gênero, mas eu apenas me senti muito cansado, queria dormir o tempo todo. Minha esposa adorou isso, eu preciso dizer, porque sempre que vamos dar uma volta eu ando uns 10 metros à frente dela, e ela sempre diz ‘dá pra esperar?’, e então nós fomos dar uma volta, quando o tratamento acabou, e ela acabou andando atrás de mim, com as mãos nas minhas costas, me ajudando a subir as escadas, porque eu estava exausto, e ela disse ‘eu estou adorando isso, vou aproveitar o máximo que puder’”.

Sobra a fadiga causada pelo tratamento, Bruce diz nunca ter sentido nada parecido em toda a sua vida. Ele diz que não sabia a diferença entre estar cansado e estar fatigado, mas que agora sabe que são duas coisas completamente diferentes.

‘Eu fui ao mercado, como sempre, com uma pequena sacola de compras, e, na metade do caminho de volta para casa, eu pensei ‘não vou conseguir chegar; eu vou ter que deitar num banco do parque’. Eu nunca tinha me sentido desse jeito antes, e eu percebi que existem muitas pessoas que, por causa da Esclerose ou outras doenças debilitantes, eles vivem desse jeito pela maior parte de suas vidas, e isso foi uma revelação para mim. Que existam todas essas pessoas no mundo, que não são famosas, que lidam com isso todos os dias. E é simplesmente surpreendente que não tenhamos mais pessoas se jogando de pontes.’

Sobre Danilo Pacheco

Danilo Pacheco

2 comentários:

  1. É lamentável usar Google Tradutor nas matérias de vocês. O texto fica muito ruim e muitas vezes não faz o menor sentido. Se não sabem inglês, deixem o texto no original e traduza uma ou outra frase considerada "importante" para o entendimento do artigo.

    ResponderExcluir
  2. porra Nando, por favor né cara... A matéria está bem compreensível. A propósito sou professor de inglês.

    ResponderExcluir