[ IRON MAIDEN ] - 10 curiosidades sobre "Killers"


2020 será o ano que celebraremos o aniversário de 45 anos de carreira do Iron Maiden. Diante disso, ao decorrer do ano, trarei matérias especiais abordando curiosidades a respeito de cada um dos 16 álbuns de estúdio da banda, sempre nas datas de aniversário de lançamento de cada um deles. E para começar, vamos falar do icônico “Killers”.

1- “Killers” foi gravado entre os meses de novembro de 1980 e janeiro de 1981 no Battery Studios, Londres. O lançamento oficial se deu no dia 2 de fevereiro daquele ano. Foi a estreia de Adrian Smith nas guitarras, substituindo Dennis Stratton. Também marcou a estreia da parceria com o lendário produtor Martin Birch.

2- Adrian Smith comentou certa vez que o convite para entrar na banda se deu nas ruas de Londres, quando se encontrou com Steve Harris e Dave Murray, em um dia que perambulava triste e desolado após receber negativas de algumas rádios e gravadoras naquele dia em receber fitas de sua antiga banda, a Urchin.

3- Adrian Smith é colega de infância de Dave Murray, e pelo menos numa primeira vista, não tinha como haver problemas pessoais entre eles. A história mostrou que o entrosamento entre os dois foi mais que perfeito. Contudo, a banda tinha um “plano B” caso desse algo de errado com Adrian. Phill Collen, do Def Leppard.

4- “The Ides Of March”, faixa de abertura do trabalho, foi composta em meados de 1977 por Steve Harris e Barry Purkis, conhecido no meio por “Thunderstick”, quando o baterista fazia parte do Iron Maiden. Quando Barry saiu da banda e foi para o Samson, eles gravaram uma faixa chamada “Thunderburst”, que é uma versão de “The Ides Of March”. Houve inclusive um mal estar na época, pois na versão do Samson, Steve Harris é creditado, o que não ocorreu na versão do Maiden, onde não há nenhuma menção a Barry.




5- Sabemos que desde o início, Steve Harris sempre pensou nas ações que o Iron Maiden tomaria de forma antecipada. Isso se intensificou depois que o empresário Rod Smallwood adotou a banda. Em “Killers” há alguns detalhes que, se bem analisados, nos levam a teorizar que ali a banda já mostrava a temática de “The Number Of The Beast”. “Killers” não chega a ser um álbum conceitual, mas tem um tema central. Assassinos e mortes. Se considerarmos a mitologia cristã, onde na mesma é dito que as pessoas que cometem assassinatos vão para o inferno, ou ainda que em alguns casos elas ficam numa espécie de “sala de espera” (purgatório), podemos fazer uma ligação. Isso sem falar em “Hallowed Be Thy Name”, onde a letra fala das últimas horas de um condenado à morte. Seria ele um “assassino”?

6- A turnê de “Killers” foi a primeira a nível internacional do Iron Maiden, e vários shows foram cancelados. Alguns por baixa venda de ingressos, mas a maioria devido ao mal estado de Paul Di’Anno. Isso ligou o sinal de alerta no staff da banda, e um substituto teria de ser encontrado logo. Em agosto de 1981, no Reading Festival, esse problema foi resolvido, mas maiores detalhes dessa história será contada na matéria de aniversário do “The Number Of The Beast”.

7- Ainda falando na “Killer World Tour”, houve duas datas que a banda fez dois shows no mesmo dia. 30 de março em Milão, Itália e 24 de maio em Tóquio, Japão.

8- No show de Orange, França, em 01 de setembro de 1981, o Trust, banda que Nicko McBrain tocava, fazia a abertura do show, e em determinado momento, Paul Di’Anno e Dave Murray subiram no palco para uma jam e tocaram duas músicas.

9- O último show de Paul Di’Anno com o Iron Maiden foi no dia 10 de setembro, em Copenhagem, Dinamarca. Na platéia, havia um jovem que dois anos depois daria as caras com o disco de estreia de sua não menos famosa banda. Falo de Lars Ulrich, baterista do Metallica.

10- A turnê depois da saída de Paul foi “esticada” como forma de aquecimento para mostrar o novo vocalista Bruce Dickinson. 5 shows na Itália e 2 na Inglaterra entre os dias 26 de outubro e 23 de dezembro. Essa estreia na Itália tem uma razão. A maioria dos fãs não aceitavam a saída de Paul, e temendo um mal comportamento nos shows, a banda levou as primeiras apresentações com Bruce para longe do Reino Unido.


Formação:
Paul Di’Anno (vocais)
Dave Murray (guitarras)
Adrian Smith (guitarras)
Steve Harris (baixo)
Clive Burr (bateria)

Faixas:
The Ides Of March
Wrathchild
Murders In The Rue Morgue
Another Life
Genghis Khan
Innocent Exile
Killers
Prodigal Son
Purgatory
Twilight Zone
Drifter

Sobre Alexandre Temoteo

Alexandre Temoteo

0 comentários:

Postar um comentário