[ IRON MAIDEN ] - O fim de uma era - parte 1


Todas as coisas boas devem um dia chegar a um fim. Não houve algo melhor no Heavy Metal do que o Iron Maiden na década de 1980. Nessas linhas tomarei um olhar em profundidade nas aventuras do Maiden no final dos anos 80. 



Se a foto acima ilustra qualquer coisa, pode ser o estado do Iron Maiden de como eles estavam se dirigindo para a parte final de sua gloriosa época compreendida entre 1982 e 1989. No topo do mundo, alegres, orgulhosos, amantes da diversão, mas também o sofrimento, a sensação de loucura que permeava a vida diária de qualquer turnê.

E sem parar para recuperar o fôlego, o Iron Maiden entrou de cabeça na altura de sua era clássica era com os álbuns "Powerslave" (1984) e "Live after Death" (1985).

Nós todos sabemos que "Powerslave" foi gigante, a World Slavery Tour foi mais gigante ainda, e o Iron Maiden encontrou-se completamente destruído física e mentalmente no final de 1985. Não é de se admirar. 5 álbuns de estúdio e um duplo ao vivo, um recorde, em menos de seis anos. Pense sobre isso, e o fator de praticamente uma turnê mundial para cada álbum de estúdio.

O ritmo que o Maiden definiu para si mesmo em toda a década de 1980 foi incrível, e, no final, a banda quase rasgou-se em pedaços. O líder da banda e o baixista Steve Harris admitiu que Bruce Dickinson estava particularmente exausto, já que era ele que tinha de correr ao redor do palco, cantando acrobaticamente e de frente para a banda, ao vender a devida emoção para ir em frente com cada épica canção as quais a banda apresentou.

"Obviamente, foi uma turnê difícil para ele, pois tinha que cantar cerca de duas horas a cada noite, cinco ou seis noites por semana." (Steve Harris)

Dickinson não tinha uma guitarra ou uma bateria para esconder-se atrás, e parece bem provável que a banda não conseguiu entender o quão emocionalmente agredia o vocalista mesmo depois de 12 meses seguidos e fazerem milhares de pessoas acreditarem em cada palavra.

Bruce afirma que a faixa-título para o quinto álbum do Maiden, "Powerslave", tinha a ver com o atual momento do grupo. Os integrantes eram "escravos do poder" da turnê naquela altura. Eles haviam se tornado uma máquina, um enorme sucesso, e a cada ano começava com a composição e gravação de um novo álbum, e transformou-se na banda com a mais intensa e agitada programação de shows supervisionada pelo empresário Rod Smallwood.

"Agora, você vai escrever por seis semanas, agora você vai gravar por três meses, agora você está ensaiando por duas semanas, agora você sai em turnê por oito meses." (Bruce Dickinson)

Oito meses? Moleza!. Mas a World Slavery Tour iria ficar estendida e expandida, de novo, por um ano inteiro na estrada, sem um tempo significativo de folga a qualquer momento.

A banda finalmente tinha que dizer ao manager para diminuir o ritmo das coisas no verão de 1985, ou as consequências poderiam ser graves. Como Harris lembra, "eu pensei que seria a última gota, basicamente, porque o Bruce estava realmente em um mau caminho ... duas horas de Maiden, cinco noites por semana, durante 12 meses – isso é o suficiente para levar alguém a um estresse pesado".

O vocalista não foi o único na banda que se sentia um acabado com o final da World Slavery Tour. Adrian Smith lembra que ele bateu na porta errada, quando ele foi visitar seus pais, depois da conclusão da turnê.  O Iron Maiden tinha alcançado o topo do mundo, eles tinham chegado exatamente o que eles desejavam, e agora eles tinham de lidar com essa situação.



Continua...



Sobre Alexandre Rodrigues Temoteo

Alexandre Rodrigues Temoteo

0 comentários:

Postar um comentário