[ BLAZE BAYLEY ] - "O mundo é um lugar melhor por ter o Iron Maiden de volta aos trilhos"


Em entrevista ao site Eonmusic, Blaze Bayley conta como está o processo de composição do novo álbum, sobre como era escolhido o set list do Iron Maiden em sua época e os planos para um novo álbum do Wolfsbane. Acompanhe abaixo:

Oi, Blaze, como está?
Estou bem. Estamos no meio dos ensaios para o novo álbum, e será absolutamente fantástico.

Você atualmente está trabalhando na sequencia de "Infinite Entanglement"?
Já fizemos todas as demos iniciais, e agora estamos trazendo-as para o estúdio de ensaio. Eu gosto de ter todo esse material e dar vida a ele nos ensaios. Eu adoro ter a sensação de que podemos ir e tocar todas as canções novas como um repertório em um show ao vivo, então é o padrão que tentamos buscar. É um monte de detalhes. A composição e o processo criativo são longos, e espero que as músicas agora estejam prontas para gravar.

O novo disco vem seguindo a temática de "Infinite Entanglement"?
Sim, é uma trilogia baseada em um livro, uma história de ficção científica que estou escrevendo, sobre um homem que não sabe que ele é humano. A primeira parte foi "Infinite Entanglemet". Esta é a parte dois e então no próximo ano (2018) haverá a parte três. No primeiro álbum, ele descobre que sua consciência foi posta em um corpo cibernético, e ele tem que decidir se ele ainda é humano. A história se segue a partir isso.

Parece que há uma metáfora a mais nessa história, de sua própria vida pessoal.
Sim, definitivamente, porque quando eu comecei, pessoas disseram que não eu poderia cantar; que eu não poderia trabalhar como um cantor e nunca cantar em uma banda e sim, eu tinha um monte das minhas próprias coisas para superar e para seguir em frente e ser um cantor profissional. Sou muito, muito sortudo que eu seja capaz de trabalhar em tempo integral como músico profissional, escrever minhas próprias músicas, gravá-las, fazer meus próprios CDs, produzir meus próprios álbuns e ter o apoio de tantos fãs ao redor do mundo.

Deve ser uma experiência única para você ser capaz de contar sua própria história como esta.
Muito disso é fortemente disfarçado sobre isto, e eu uso partes de histórias de outras pessoas. Claro, estou a escrever assim como no livro, ou em alguns dos meus álbuns. Este sou eu, isto é o que aconteceu e isso é como me sinto sobre isso. Mas desta vez é um prazer voltar e colocar essas coisas de volta numa metáfora.

Uma das tragédias mais pessoais que aconteceram com você foi a morte de sua esposa Debbie, em 2008.
Bem, foi em uma época diferente e, realmente, e uma coisa que eu não achava que eu iria superar. Eu não tinha qualquer razão para continuar profissionalmente depois disso, mas eu de alguma forma confusa, tive um monte de ajuda. As pessoas me ajudaram a voltar a ter os pés no chão, e então eu fui capaz de continuar. Sou muito, muito sortudo por ter tido esses grandes amigos e fãs que me apoiaram.

Sua carreira começou em 1990, quando o Wolfsbane lançou seu primeiro álbum.
Olhando para trás, foi uma coisa única e maluca que fiz, e minhas ambições e sonhos foram cumpridos e também se estragaram, e assim foi, loucura, mesmo. Considero-me como alguém que é 'louco'; Eu sofro de depressão e problemas de saúde mental, e quando eu poderia colocar um rótulo em que; 'isso é uma doença, que é uma condição', você pode fazer algo sobre isso. Não estou preso agora neste sentimento de desespero e raiva e de todas essas emoções; Há realmente uma razão para isso. Então, se há uma razão para isso, então há também uma solução, ou pelo menos uma forma de lidar com isso. Nunca fiz segredo dos meus problemas de saúde mental. Não descobri sobre isso até ter se juntado ao Iron Maiden, e acho que se eu soubesse que isso era o que me fez ter alguns sentimentos que eu tenho, eu acho que eu iria lidar com isso muito melhor com as pressões de estar em uma das maiores bandas do mundo.




Foi há vinte e um anos que você fez sua primeira turnê mundial com o Iron Maiden; que lembranças tem dessa época?
Foi uma época incrível. Trabalhar com novas pessoas é muito estimulante e escrever canções com Janick Gers e com Steve Harris foi incrível. Steve Harris é tão generoso; Ele era um mentor para mim. Eu tinha escrito muitas canções com o Wolfsbane antes, mas escrever com o Steve, ele me ensinou muito. Ele encontrou as peças da minha voz que eu nunca tinha usado antes, que foi muito, muito emocionante. E cantar suas melodias e letras, e em seguida para tê-las em letras e melodias que eu tinha escrito, foi uma experiência absolutamente incrível.

Você teve o seu maior sucesso com "Man On The Edge", o primeiro single que lançou com o Iron Maiden.
Foi Top 10 em todo o mundo, e em alguns lugares ele era o número um, então, foi o meu primeiro trabalho a atingir número um. Depois de tantos anos escrevendo, pensando que eu tinha uma música que era boa o suficiente, e então, quando nós fizemos isso, era bom o suficiente. É um enorme impulso para sua confiança para em seguir em frente. 



Como a primeira vez que você viu um resultado do Iron Maiden com sua voz e viu-se creditado e retratado nele?
Foi uma experiência surreal, porque eu tinha sido na turnê de promoção e foi para muitos países diferentes, e eu era a grande história. Não era o que eu queria ser, mas todos queriam falar comigo sobre como me senti ao entrar no Iron Maiden. Tudo o que eu queria fazer era entrar nos ensaios, praticar as músicas e fazer o melhor trabalho que eu poderia para aquelas músicas ganharem vida. Foi uma experiência muito surreal estar naquele trabalho e estar naquele nível, onde você sonhava estar, mas não sabe o que vai acontecer e nem como quando chegar lá.

Quem escolhe um repertório do Iron Maiden; é Steve Harris, ou Steve e Rod Smallwood, ou é mais um esforço do grupo?
Quando eu estava na banda - e eu só posso falar por aquela época, então –; há algo como, dez canções que normalmente são a base do set list, e talvez ocasionalmente uma delas não esteja lá, e então há pelo menos seis músicas do novo álbum. Essa é a base do conjunto, e será esta a se trabalhar a partir daí. Todo mundo pode ter uma opinião; era sobre qual música era melhor. Steve tinha uma ideia de qual música encaixava-se melhor ao lado da outra, mas às vezes nós mudávamos como nós fizemos ao longo da turnê.

Como estava a moral da banda no momento da gravação 'Virtual XI'?
Steve Harris estava passando por momentos muito difíceis em sua vida pessoal. Havia uma certa ansiedade, que seria natural, porque muitas pessoas dentro do mundo dos negócios esperavam o pior depois que Bruce Dickinson saiu da banda. Eu acho que, como eu amo Bruce - e ele foi uma grande ajuda para mim em minha carreira solo e antes de eu entrar no Iron Maiden - mas eu realmente acho que em algum lugar, Bruce pensou que ele poderia seguir em frente também. Todo mundo estava ansioso; foi uma grande mudança; Você teve todos os grandes sucessos com um cantor e então um cara novo chega e muitas pessoas começam a ter vários tipos de pensamentos. E certamente havia essa ansiedade lá. Muitas vezes estávamos nos ensaios, e víamos a revista Kerrang! ou a Metal Hammer e víamos as as coisas que diziam, e o pensamento só continuou chegando do tipo; "eles que se fodam, vamos continuar mesmo assim". Eu era um fã do Iron Maiden, e eu sei porque as pessoas gostam de Iron Maiden, então foda-se o que dizem os outros. Não é dependente de imprensa, ou jornalistas ou pessoas que não compram os CDs, são as pessoas que tem sido leais ao Iron Maiden e quero esse estilo original, individual da música que vem com todo o coração e que você possivelmente pode colocar nele.

Obviamente, a faixa 'Vírus' reflete isso.
Definitivamente Sim. Todos nós na banda pensávamos tipo; "Fodam-se todos vocês", sabe? Acho que tinha muita gente tentado decretar o fim do Iron Maiden, e eu era parte da banda, então eles tentaram "eliminar" a todos nós como uma banda antes de gravarmos o 'Virtual XI', e eles não puderam fazer nada.

A música "The Angel And The Gambler" causou um grande debate devido à sua extensão e natureza repetitiva; hoje em dia você mesmo reconhece que é muito longa.
Basicamente, tivemos uma versão menor em vídeo de "The Angel And The Gambler', e eu senti que era muito mais apropriada. Eu acho que há um grande volume de peças para a música, e em meus shows acústicos normalmente faço a versão mais curta dela, e é algo bom para tocar, e é muito divertido. Mas no álbum, a versão de "The Angel And The Gambler', eu realmente sinto que é muito longa.

Não fizeste uma menção para Steve Harris naquele momento? Eu suponho que não é fácil dizer a alguém assim, que uma de suas canções precisa de uma edição.
Bem, você diz; "eu acho que é muito tempo", e você tem uma discussão sobre isso, e eles vão, "bem, vamos tentar - eu estou realmente convencido de que é isso", e depois, no álbum, e você não pode adaptá-la ou alterá-la – está feito! Então, é uma daquelas coisas. Essas coisas acontecem no mundo dos negócios; gravar alguma coisa, ser pressionado e, em seguida, você está ensaiando e, em seguida, você está indo dizer; 'talvez que a versão do álbum é um pouco longa demais' (risos). Então, voltando ao ciclo, é exatamente por isso que eu estou em ensaios com a minha banda, porque se algo assim acontece, ligamos uns para os outros e dizemos; "você sabe...eu estou entediado", e se eu estou entediado agora para ensaiar, quando alguém que vai ouvir o registro vai se sentir como? (risos)

Algumas das faixas que você estava trabalhando em seu terceiro álbum de estúdio com o Iron Maiden acabaram no álbum "Brave New World".
Sim, não me lembro de todas elas, mas "Dream Of Mirrors" é a principal delas. Steve realmente gostava das músicas que nós trabalhamos juntos, tanto quanto eu, e ele disse, "eu realmente gostaria de manter essas músicas", então eu disse: "sim". Eu não tinha planos no momento, mas eu tinha ideias durante a turnê as quais eu estava a fim de trabalhar, que eu estava absolutamente ansioso para trabalhar com Steve, Dave e Janick, e elas acabaram no meu álbum solo "Silicon Messiah". Eu realmente senti que o terceiro álbum a suceder 'Virtual XI' álbum realmente convenceria os fãs de que eu pertencia ao Iron Maiden e que valeu a pena eu estar lá, porque eu realmente senti que a música que estávamos criando tinha muita energia e a paixão.

Infelizmente, esse terceiro álbum nunca aconteceu. 
Eu acho que foi algo do mundo dos negócios realmente. Eu acho que a EMI colocou muita pressão sobre a banda. Todo mundo estava tendo uma reunião, e nela chegou-se ao senso para Bruce voltar, assim como Rob Halford voltou para o Judas Priest. Você não pode dizer nada numa ocasião dessas. Ok, a decisão não era muito agradável para mim, mas funcionou. O Iron Maiden ainda está ai, e eu disse na hora, mesmo se eu não estou na banda, o mundo é um lugar melhor por ter Iron Maiden de volta aos trilhos, e o mundo da música precisa do Iron Maiden lá. Eu apenas desejo-lhes a melhor sorte, e o maior sucesso, porque eles merecem. Os sacrifícios pessoais que cada pessoa na banda fez, e o trabalho que eles colocaram em construir essa banda é algo incrível.

Qual é o status atual do Wolfsbane?
Nós estamos apenas esperando por um tempo, quando poderemos ensaiar juntos e terminar algumas das músicas que comecei a escrever há dois anos quando fizemos o 'Wolfsbane Rock'. Adorei fazer o EP, e amamos apresentar-se juntos. Todos têm diferentes vidas, e eu sou uma vítima do meu próprio sucesso; as melhores coisas acontecem para mim com o meu projeto solo, então tenho menos tempo para gastar com o Wolfsbane. Nós temos algumas idéias que nós realmente queremos concluir e colocar em um álbum, possivelmente, para o final do próximo ano, mas nós vamos ter que ver como isso vai acontecer.

Finalmente, quais os próximos passos de Blaze Bayley?
Uma vez que a pré-produção do álbum estiver finalizada, vamos começar a gravação. A primeira parte da minha turnê mundial começa em fevereiro, em Malta e, em seguida, voltamos para o Reino Unido, e terminamos em junho de 2017. O novo álbum; a parte dois de "Infinite Entanglement' sai no dia 1 de março, e as pré-ordens de venda começam em breve. Agora, a nova versão do vinil  de 'Infinite Entanglement" está no processo de criação; estamos apenas ouvindo as prensagens de teste e a verificação dessas, e as pré-encomendas já começaram, e você será capaz de obter o seu quando estivermos em turnê.

Sobre Alexandre Rodrigues Temoteo

Alexandre Rodrigues Temoteo

0 comentários:

Postar um comentário