Há 40 anos: O nascimento do Iron Maiden.


No natal de 1975, um jovem e frustrado baixista chamado Steve Harris decidiu que jamais seria criativamente satisfeito se ele não montasse sua própria banda. O resto é a história que todos sabemos.

Naquela altura Harris estava em uma banda chamada "Smiler", mas como ele disse mais tarde à Guitar World, ele achou impossível convencer seus colegas a tocar seu material. "Eu estava ouvindo coisas como Genesis, que eu realmente adoro, e Jethro Tull, Pink Floyd, King Crimson, Yes, Black Sabbath, Deep Purple e Led Zeppelin"..."Então quando comecei a escrever meu material, ele era cheio de combinações, mudanças de tempo e força. Eu queria muito ter feito minha primeira canção no Smiler, mas quando eu trouxe a eles eles disseram - Oh...isso tem muitas mudanças de tempo...não conseguimos fazer isso. Eu nunca pude entender aquela atitude, então eu deixei a banda e formei o Iron Maiden."

Como qualquer fã da lendária banda Britânica de Heavy Metal sabe, nada foram flores para Steve Harris no começo. O grupo passou por várias mudanças de formação em seus primórdios, e muitas delas ficaram perdidas na história. De fato, de acordo com o livro de Neil Daniels "Killers: as origens do Iron Maiden, 1975 - 1983"...é possível o Iron Maiden ter surgido em semanas ou até meses antes da data oficial de fundação.

Se os detalhes exatos desse fato permanecem para debates, outros são inquestionáveis. Como por exemplo...Steve Harris ter se inspirado no filme "O Homem na Máscara de Ferro" do diretor James Whale, de 1939 para criar o nome da banda. O filme é uma adaptação da novela de Alexandre Dumas Le Vicomte de Bragelonne ou Dix ans plus tard, um conto sobre uma lenda francesa, imaginando o Rei Luis XIV aprisionando seu irmão gêmeo numa máscara tão apertada que sua barba iria eventualmente sufoca-lo.

Aquele monarca imponente mostrou similaridades com o material progressivo e agressivo que Harris estava ocupado em escrever, e se a química do grupo tivesse algum tempo para desenvolver, seria uma consequência da busca pela perfeição - como mais tarde ele revelou - recrutar pessoas que eram compatíveis ou mais com o nível musical. "Era algo sobre buscar os músicos certos, mas não apenas os músicos certos, mas as pessoas certas", disse Harris. "Quando você encontra a formação que funciona, é realmente excitante. Você tem que ser dedicado..e às vezes...é preciso se superar".

O Maiden passou alguns anos nesse período, e viu um bom número de membros saindo - incluindo Paul Di'Anno, que gravou os dois primeiros álbuns da banda - e saiu em 1981...decretando o fim da formação que alavancou o sucesso da banda. Harris sonhava com a glória, com o guitarrista Adrian Smith, recrutado em 1980 e o vocalista Bruce Dickinson, contratado ainda em 1981.

Quatro décadas depois, o Iron Maiden ainda permanece poderoso, como evidenciam as saudáveis vendas e a excelente aceitação dos críticos ao 16º álbum de estúdio The Book of Souls, lançado em Setembro de 2015. "Nós sempre fizemos o que nós queríamos fazer, desde o primeiro álbum" disse Harris à Goldmine. "Não estamos tentando especificamente ser como qualquer outro...apenas escrever as canções que sentimos ser as certas no seu tempo. Você sabe, nós nunca sabemos o que vamos escrever depois, o que é parte da surpresa quando você vai escrever o novo álbum. Sem plano de batalha. Apenas vamos...e deixamos as coisas fluírem".

Fonte: Ultimate Classic Rock

Sobre Alexandre Rodrigues Temoteo

Alexandre Rodrigues Temoteo

1 comentários:

  1. Realmente uma história de sucessos..... Em 1984 ouvir, comprar discos, e ler sobre Iron Maiden era uma sensação muito boa. A banda sempre proporcionava uma grande expectativa......

    ResponderExcluir