[CURIOSIDADE]: O significado dos simbolos no album Seventh Son of a Seventh Son Parte II



Can I play With Madness - The Moon


Como as visões se tornam mais difíceis de evitar, o personagem que as experimenta procura conselhos de um velho profeta. O símbolo associado é o da lua, relacionada à sabedoria e à loucura.

As palavras de origem indo-europeia, tanto para "lua" e "mente", era o homem como um homem, ou homens, representando o "sangue sábio" da Grande Mãe, em mulheres que foram pensados para serem governadas pela Lua. A deusa Latina pré-romana Menrva (Minerva) é vista como tendo vindo de um homem, e é possível ter herdado palavras como mentalidade, menstrual, mensuração, mentor, ménage (uma família matrilinear), presságio (uma revelação da lua) e Amen (a lua do renascimento).

A palavra "lunático" é derivada do inglês médio (ca.1290) “lunatik”, em si, tendo suas raízes a parti do francês antigo “lunatique” e do latim lunaticus (de luna, lua). Do anglo-saxão “mon”, significa “dia de luas” e tornou-se segunda-feira, enquanto o nome romano para este dia foi “morre lun?”, "dia de luas".

No monoteísmo, a esfera Lunar é creditada para ser o domínio de Satanás, Jinnand Demons. A esfera Solar, por outro lado, é a fonte da vida, Deus. A associação solar decorre de religião primitiva, a adoração do sol e a associação com o tempo de noite, a lua, tão antiga quanto a própria religião. A noite, a escuridão, sempre foi associado com os elementos indesejados da religião: o que frustra o sol.

Na alquimia, o objetivo tem sido, tradicionalmente, para criar uma poção que permitiria que ninguém vivesse para sempre. A lua, um símbolo da morte, é de prata e o sol, o símbolo da vida, é dourado. A lua, então, também deveria representar a alma do próprio alquimista, para ser trabalhado e transformado pela sua união com o sol.

Plutarch é citado, dizendo, "os efeitos da lua são semelhantes aos efeitos da razão e da sabedoria, enquanto que os efeitos do sol parecem ser provocados pela força física e violência." Temos, em ‘Can I Play With Madness',  tanto uma menção à sabedoria da lua (o Profeta) quanto uma inclinação à loucura.


The Evil That Men Do - The Pelican


Este pássaro exemplifica o amor incondicional de um pai pelos seus filhos. O hábito do pelicano-mãe, de tirar o alimento da sua bolsa para pegar o alimento para seus filhotes gerava mal-entendido entre os povos primitivos. Eles acreditavam que o pássaro-pai estava rasgando o peito para alimentar seus bebês com seu próprio sangue.

Lendas abundam em dizer que o pelicano pai revive sua jovem cria falecida, abrindo seu coração e encharcando-o com o seu sangue. Em algumas, a mãe sufoca, inadvertidamente, as crianças com suas carícias abundantes. Em outros, os bebês morrem de fraqueza, são mortos por cobras ou tratam o pai tão insolentemente, que ele as mata em um acesso de raiva. Em cada caso, o pai, vendo que seus filhos estão mortos, chora em voz alta por três dias e, depois, ressuscita-os. O jovem ressuscitado acorda cheio de saúde e bondade. Estas lendas servem como metáforas para a ressurreição da humanidade em Cristo e o sacrifício que purifica o sangue e a água que flui da ferida. Durante a idade média, muitos artistas colocavam um pelicano com seu ninho no topo da Cruz.

Até o século XVIII, o “Cristo-Pelicano” foi quase sempre retratado perfurando-se no lado direito de seu peito. Esta imagem foi extraída de uma vaga interpretação da profecia de Ezequiel, "... a água (sangue de Cristo e água) foi fluindo debaixo do lado direito do templo (o corpo de Cristo)... e será que todos os seres vivos que se movem, onde os rios correm, vão viver..." Mais tarde, a Maçonaria usaria um pelicano de broche no seu lado esquerdo, como um símbolo de auto-sacrifício exigido pelos seus membros. Muitos artistas e artesãos não tinham conhecimento do significado do lado direito do peito e o pelicano dos maçons começou a aparecer em igrejas e arte cristã.

Existem brasões que aplicam apenas o pelicano com as asas levantadas, o pescoço entortado, bicando o próprio peito e gotas de sangue estão caindo. Nesta condição, o pássaro é batizado como "bestiários de si mesma". Mas se ela está de pé sobre os filhotes de ninho e alimenta-os com seu sangue, é descrita como sendo "em sua piedade".

Outro mito Pelicano é que ele comeria apenas a menor quantidade de alimentos necessários para manter a vida. Portanto, tornou-se símbolo para quem se esforça para a purificação espiritual.

Seja qual for o caso, o símbolo representado no livreto não mostra a prole do pelicano e, portanto, é o "bestiários de si mesma". Isto poderia representar o sacrifício final do pai do sétimo filho que morre antes da criança nascer.


Seventh Son Of A Seventh Son - A estrela de oito pontas


Nasce o sétimo filho do sétimo filho, cercado por sua família e com as forças do bem e do mal o procurando. O símbolo associado é uma estrela de oito pontas, representando Vênus. O nome da estrela da manhã para Vênus vem do fato de que este planeta não é realmente uma estrela, é o primeiro objeto celeste que aparece ao anoitecer, assim como o último visível ao amanhecer. Simboliza a vigilância divina sobre o nascimento de dia e noite, do bem e do mal.

A estrela de oito pontas é um símbolo da deusa mesopotâmica Inanna, também conhecida como Ishtar. Os oito pontos representam os movimentos do planeta Vênus associados a esta deusa, um planeta que é também um símbolo de morte e renascimento.

Inanna é representada como uma deusa guerreira, com arco e flecha, ou como um símbolo de fertilidade, nua, com uma criança nos braços. Ela é "toda a mulher": guerreiro, amante, mãe... e ela foi para o inferno, mas voltou! Muitas vezes, também pode ser vista segurando um caduceu (varinha). Ela é pensada ser a inspiração para a deusa grega Atena e a Virgem Maria da mitologia cristã.

A presença deste símbolo ligado ao nascimento do sétimo filho de um sétimo filho parece indicar que as forças de fertilidade estão garantindo que a criança nasça com problemas e também profetizaram batalhas por vir.


The Prophecy – The Winged Disc


O sétimo filho escolheu o lado do bem contra o mal. Mais uma vez, Lúcifer tenta conquistá-lo, desta vez através de outros meios. Lúcifer prepara um desastre para a aldeia, sabendo que o sétimo filho irá prevê-lo e tentará avisar aos outros. O sétimo filho diz a todos de sua previsão e tenta proteger os aldeões da catástrofe que se aproxima. Lúcifer fez uma bem sucedida aposta sobre a natureza da humanidade: os aldeões não acreditam no profeta e zombam dele. Após o desastre acontecido, eles se voltam contra o sétimo filho, acusando-o de trazer uma maldição com suas falsas previsões. Lúcifer agora espera que esta ingratidão faça com que o sétimo filho perceba a verdadeira natureza de seus companheiros seres humanos e repense sua decisão sobre o lado que escolheu.

O símbolo que acompanha é disco alado, o “olho que tudo vê”, símbolo da clarividência superior. Na Índia, este “olho que tudo vê” foi chamado de “olho de Shiva” [aka Satan]. Os egípcios representaram Osiris pelo símbolo de um olho aberto. É o olho que nunca dorme, provavelmente, representando, como nos antigos mistérios, a visão superior.

Esse símbolo foi reverenciado pelos sumérios, assírios, babilônios, egípcios e outros impérios, por milhares de anos. Sua presença decorava os templos e palácios dos reis e deuses e é, muitas vezes, representado, simbolicamente, pairando sobre cenas de batalha antiga. É o símbolo mais copiado da história da humanidade. Símbolo da divina vigilância, proteção ou reinado, foi provavelmente inspirado nos anéis ao redor do sol, que eram visíveis durante eclipses solares.


Fim da Parte II

Não leu a Parte I? Então Clique Aqui


Fonte: Fã-Clube Iron Maiden Bulgaria

Sobre Danilo Pacheco

Danilo Pacheco

0 comentários:

Postar um comentário