[ANÁLISE] - O Melhor de Bruce Dickinson


O Melhor de Bruce Dickinson

Pensando em todos os nossos caros amigos, que têm acompanhado através do IMBCAST a análise dos CDs solo de Bruce Dickinson, o Iron Maiden Brasil vem aqui trazer uma ótima recomendação para vocês: trata-se da coletânea The Best of Bruce Dickinson, lançada em 2001 (após Bruce ter voltado ao Maiden).

A ideia inicial seria o lançamento de um álbum com alguns b-sides e outras faixas raras, que nunca haviam sido gravadas. Porém, Rod Smallwood sugeriu o lançamento dessa coletânea, para que os fãs do Iron Maiden que não haviam acompanhado a carreira solo de Bruce pudessem se familiarizar com a mesma.

O CD encontra-se disponível em dois formatos: CD simples ou CD duplo.
O CD simples (ou CD 1, no caso do duplo), traz não apenas as melhores faixas da carreira solo de Bruce (abrangendo os cinco álbuns que ele já havia lançado), mas também duas músicas inéditas: Broken, que é a faixa de abertura, e Silver Wings, uma música que (grande surpresa!) fala sobre aviões e guerras. Destaque desse álbum para as faixas Laughing in the Hiding Bush e Book of Thel, que apresentam versões ao vivo.

No segundo CD, encontramos pérolas que satisfazem qualquer fã de Mr. Dickinson. A faixa de abertura é Bring Your Daughter... To The Slaughter... Não, você não leu errado. É a versão original da música, composta para fazer parte da trilha sonora de um filme de terror, antes de ser Maidenizada.  Também encontramos músicas que testam o senso de humor de algumas pessoas, como The Ballad of Mutt (que Bruce cantou na turnê de Tattooed Millionaire) e I’m in a Band with an Italian Drummer, escrita na época do Skunkworks.
Para quem é fluente em inglês, The Voices of Crube é um deleite. Nesta faixa, basicamente temos o Mr. Air Raid Siren falando de cada uma das faixas anteriores. É bem interessante ver o ponto de vista dele.

E para encerrar, a cereja do bolo, a Varinha das Varinhas, o Um-Anel do CD é a última faixa, Dracula, que foi o primeiro registro em estúdio de Bruce. Exatamente isso: a primeira música gravada por ele, no fim da década dos anos 70.
Para aquele fã que está agora começando a se familiarizar com a carreira solo dele, ou para aqueles que adoram raridades e b-sides, The Best of Bruce Dickinson não decepciona. É um álbum que atinge claramente seus objetivos. E um item que todo colecionador realmente precisa ter, entre seus tesouros.

Sobre Michelle Sanches

Michelle Sanches

0 comentários:

Postar um comentário